sábado, 9 de setembro de 2017

Portal Rádio

Rádio é um recurso tecnológico das telecomunicações utilizado para propiciar comunicação por intermédio da transcepção de informações previamente codificadas em sinal eletromagnético que se propaga através do espaço. Uma estação de radiocomunicação é o sistema utilizado para executar contatos à distância entre duas estações, ela é composta basicamente de um transceptor (transmissor-receptor) de radiocomunicação, de uma linha de transmissão e da antena propriamente dita.
Cquote1.svgO rádio tem uma série de razões para aparecer como o patinho feio: é um meio invisível em plena era da imagem; um meio aparentado com a oralidade numa cultura onde o que vale é o escrito; um meio absolutamente fugaz numa civilização que prestigia a posteridade; e sobretudo um meio descentralizado, na contramão de um sistema económico e político baseado na acumulação. Mas como bom patinho feio, o rádio também se revela cisne: permanece o meio com maior alcance de público, em números absolutos de audiência, e o meio que as pessoas mais usam, em horas de utilização por semana.Cquote2.svg

Rede

Rádio Nacional é uma rede de emissoras de rádio estatais brasileira pertencente ao sistema Radiobrás. Atualmente, incorporada à Empresa Brasil de Comunicação.
Rádio Nacional
O sistema de rádios estatais começou a ser montado a partir da incorporação ao patrimônio estatal da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, na década de 1930 pelo então presidente Getúlio Vargas. Dois anos antes da inauguração de Brasília, foi fundada em 1958, a Rádio Nacional Brasília. Em 1976, era criada a Nacional FM, de Brasília. Em 1977, foi criada a Rádio Nacional da Amazônia em ondas curtas cobrindo boa parte do território brasileiro com o objetivo de mostrar a Amazônia para o país. Possui cinco emissoras de rádio e retransmite sua programação para centenas de emissoras espalhadas pelo Brasil.

Cronologia

Jornal sobre rádio

Programa

Repórter Esso foi um noticiário histórico do rádio e da televisão brasileira. Foi o primeiro noticiário de radiojornalismo do Brasil que não se limitava a ler as notícias recortadas dos jornais, pois as matérias eram enviadas por uma agência internacional de notícias sob o controle dos Estados Unidos da América. O repórter Esso era patrocinado por uma empresa estadunidense chamada "Standard Oil Company of Brazil", conhecida como Esso do Brasil. Os locutores que fizeram maior sucesso no noticiário foram: Gontijo Teodoro, Luiz Jatobá e Heron Domingues. Os slogans mais famosos eram: "Repórter Esso, o primeiro a dar as últimas" e "Repórter Esso, a testemunha ocular da história".
O programa radiofônico estreiou em 28 de agosto de 1941, transmitido pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, iniciando a cobertura do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Antes da estreia oficial, o programa havia ido ao ar experimentalmente na Rádio Farroupilha de Porto Alegre.

Biografia

Roberto Landell de Moura (Porto Alegre, 21 de janeiro de 1861 — Porto Alegre, 30 de junho de 1928) foi um padre católico e inventor brasileiro.
Roberto Landell de Moura
É considerado um dos vários "pais" do rádio, no caso o pai brasileiro do Rádio. Foi pioneiro na transmissão da voz humana sem fio (radioemissão e telefonia por rádio) antes mesmo que outros inventores, como o canadense Reginald Fessenden (dezembro de 1900). Marconi se notabilizou por transmitir sinais de telegrafia por rádio; e só transmitiu a voz humana em 1914.
Pelo seu pioneirismo, o Padre Landell é o patrono dos radioamadores do Brasil. A Fundação Educacional Padre Landell de Moura foi assim batizada em sua homenagem, assim como o CPqD (Centro de Pesquisas e Desenvolvimento) criado pela Telebrás em 1976, foi batizado de "Roberto Landell de Moura".

Imagem selecionada

Rádio Bush (1932)
Rádio Bush (1932)
É uma reprodução do modelo Philco 90 Rádio Catedral (1931). Suas linhas clássicas resumem o estilo da catedral, mais conhecido no Brasil como capelinha




















O rádio a esquerda tem a minha idade.PB
 Fonte:Portal do Rádio

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Getúlio Vargas e A Voz do Brasil


Em 22 de julho de 1935, o locutor Luiz Jatobá, estreava o" Programa Nacional" cujo objetivo principal era propagandear as realizações do Governo Federal, ou
seja de Getúlio Dorneles Vargas.


Já em 1939, quando Vargas já havia estabelecido no país a ditadura do Estado Novo, o programa radiofônico foi rebatizado como "A Hora do Brasil" e tornou-se transmissão obrigatória pelas emissoras de rádio, sempre no horário das 19 horas.

Durante a vigência de outra ditadura, a do regime militar,"A Hora do Brasil" passou a ser "A Voz do Brasil".Mudou de nome, mas manteve seu caráter cumpulsório e sua marca registrada: a abertura com os acordes da ópera de Carlos Gomes, "O Guarani", e a voz de um locutor anunciando: "Em Brasília, 19 horas".

Quando da criação do programa,o rádio era o principal meio de comunicação de massa, e não havia outros canais para os brasileiros da regiões mais distantes se informarem sobre os acontecimentos da vida do país.

Nesses 75 anos que nos separam da primeira transmissão do programa, o Brasil passou por grandes transformações, urbanizou-se e deixou de ser um país de população eminentemente rural.

O rádio também mudou e se adequou à concorrência de outros meios como a Televisão e a Internete.

Existem no Congresso vários projétos para flexibilizar o horário de transmissão do programa, e que pretendem dar às rádios, pelo menos, a possibilidade de adequar "A Voz do Brasil" em suas programações.

Herança da era do rádio


1922 - o rádio começa a operar no Brasil em 7 de setembro, na cidade do Rio de Janeiro, com um discurso do então presidente, Epitácio Pessoa

1935- Getúlio Vargas cria o Programa Nacional. Já operavam no país cerca 50 emissoras.

1939- Um decreto-lei de Vargas atribui ao programa as funções de
"centralizar, coordenar, orientar e superintender a propaganda nacional"

1962- É criado o Código Brasileiro de Telecomunicações, que torna oficial a obrigatoriedade de as emissoras paralisarem a programação para a transmissão do programa

1967- A Voz do Brasil passa a transmissão do Congresso Nacional

2008- Uma pesquisa do InterMeios revela que A Voz do Brasil derrruba irremediavelmente a audiência. Após o programa, a audiência se recupera pouco e lentamente


Destaque

A Rádio Clube (PRB2), de Curitiba/PR, é a segunda emissora brasileira
a entrar no ar e até nenhuma outra teve uma programação tão completa e de tão alto nivel profissonal.


Em 1941 O "Reporter Esso", marco do jornalismo radiofônico brasileiro, entra no ar pela rádio Farroupilha, de Porto Alegre.

Getúlio Vargas e A Voz do Brasil


Em 22 de julho de 1935, o locutor Luiz Jatobá, estreava o" Programa Nacional" cujo objetivo principal era propagandear as realizações do Governo Federal, ou
seja de Getúlio Dorneles Vargas.


Já em 1939, quando Vargas já havia estabelecido no país a ditadura do Estado Novo, o programa radiofônico foi rebatizado como "A Hora do Brasil" e tornou-se transmissão obrigatória pelas emissoras de rádio, sempre no horário das 19 horas.

Durante a vigência de outra ditadura, a do regime militar,"A Hora do Brasil" passou a ser "A Voz do Brasil".Mudou de nome, mas manteve seu caráter cumpulsório e sua marca registrada: a abertura com os acordes da ópera de Carlos Gomes, "O Guarani", e a voz de um locutor anunciando: "Em Brasília, 19 horas".

Quando da criação do programa,o rádio era o principal meio de comunicação de massa, e não havia outros canais para os brasileiros da regiões mais distantes se informarem sobre os acontecimentos da vida do país.

Nesses 75 anos que nos separam da primeira transmissão do programa, o Brasil passou por grandes transformações, urbanizou-se e deixou de ser um país de população eminentemente rural.

O rádio também mudou e se adequou à concorrência de outros meios como a Televisão e a Internete.

Existem no Congresso vários projétos para flexibilizar o horário de transmissão do programa, e que pretendem dar às rádios, pelo menos, a possibilidade de adequar "A Voz do Brasil" em suas programações.

Herança da era do rádio


1922 - o rádio começa a operar no Brasil em 7 de setembro, na cidade do Rio de Janeiro, com um discurso do então presidente, Epitácio Pessoa

1935- Getúlio Vargas cria o Programa Nacional. Já operavam no país cerca 50 emissoras.

1939- Um decreto-lei de Vargas atribui ao programa as funções de
"centralizar, coordenar, orientar e superintender a propaganda nacional"

1962- É criado o Código Brasileiro de Telecomunicações, que torna oficial a obrigatoriedade de as emissoras paralisarem a programação para a transmissão do programa

1967- A Voz do Brasil passa a transmissão do Congresso Nacional

2008- Uma pesquisa do InterMeios revela que A Voz do Brasil derrruba irremediavelmente a audiência. Após o programa, a audiência se recupera pouco e lentamente


Destaque

A Rádio Clube (PRB2), de Curitiba/PR, é a segunda emissora brasileira
a entrar no ar e até nenhuma outra teve uma programação tão completa e de tão alto nivel profissonal.


Em 1941 O "Reporter Esso", marco do jornalismo radiofônico brasileiro, entra no ar pela rádio Farroupilha, de Porto Alegre.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

CURITIBACRACIA – Utopia na qual Curitiba exerce poder absoluto sobre as demais cidades brasileiras.
CURITIBASCOPIA – Exame endoscópico que possibilita a investigação interna das entranhas urbanas e suburbanas de Curitiba.
CURITIBATOMIA – Processo cirúrgico mediante o qual pode-se seccionar Curitiba em partes opostas: a rica e a pobre; a clara e a escura; a gorda e a magra; a sábia e a tola, a rubro-negra e a coxa-branca, e assim por diante.
CURITIBANIDADE – Condição (ou estigma) daqueles nascidos em Curitiba, ou que se assumem como tais. Pode-se manifestar em caráter agudo, principalmente nos de índole entusiástica, propensos à euforia e ao ufanismo.
CURITIBISMO – diz-se de tendência manifestada pelos mais sensíveis às louvações sistemáticas, em caráter coletivo ou individual. Considerado benigno, desde que não produza nenhum ato agressivo ou preconceituoso.
CURITIBOQUICE – Condição inerente à combinação entre simplicidade mental e ausência de senso de ridículo. Pode ser grave sempre que houver intercorrência de vaidade pessoal, presunção e pretensão, sinergicamente conjugadas.
CURITIBOSE – Condição patológica por excesso de curitibanidade, exacerbação de curitibismo e curitiboquice intermitente. Pode ser latente ou, em forma mais grave, assumir a condição de surto incontrolável. Não há vacina, nem antídoto




terça-feira, 29 de agosto de 2017

Helio Puglielli no Face!

Meu Dicionário Curitibês (PRIMEIRA PARTE)
(Se a palavra curitiboquice existisse seria grafada com “c”, e não com “ss”. Como não existe, grafada correta ou incorretamente, uso a hipótese para inocentes provocações e ingênuas insinuações, que jamais afetarão a incolumidade histórica dos capitães Leme e Carrasco dos Reis).
CURITIBÓFILOS – Os que, curitibanos ou não, amam Curitiba. Substantivo: CURITIBAFILIA
CURITIBÓFOBOS – Os que, curitibanos ou não, detestam Curitiba. Substantivo: CURITIBAFOBIA.
CURITIBÓFONOS - Os que, curitibanos ou não, pronunciam leite quente, e jamais leitchi quentchi, e vão ao teatro, e não ao tiatro, comendo bolacha, e não bulacha. Substantivo: CURITIBANOFONIA.
CURITIBARDOS – Poetas, voluntária ou involuntariamente, de forma implícita ou explícita, de algum modo identificados com Curitiba, real ou imaginária, a exemplo de Reinoldo Atem Antonio Thadeu Wojciechowski , Roberto Prado, Regina Bostulim, Batista de Pilar, Vera Albuquerque, Chloris Casagrande Justen e seu neto Ivan, Geraldo Magela Cardoso Magela, Liamir Hauer (que escreve em prosa), e mais algumas centenas.
CURITIBALOGIA – Campo científico, abrangendo estudos e pesquisas físicos, sociológicos, antropológicos, psicológicos e geopolíticos sobre Curitiba e seus habitantes.(Abrange a investigação do "homo curitibanus", mas não dá pra usar a expressão, vetada pelas feministas).
CURITIBASOFIA – Campo filosófico abrangendo a lógica curitibana, gnoseologia, epistemologia e metafísica curitibanas,e principalmente o conhecimento não-exotérico preservado no Templo das Musas de Dario Vellozo pelos neopitagóricos sobreviventes.

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html