terça-feira, 14 de julho de 2009

A QUEDA DA BASTILHA - Ubiratan Lustosa

Incluída entre os feitos que mudaram os rumos da humanidade,
a Tomada da Bastilha em 14 de julho do distante 1.789,
celebrada pelos franceses e evocada por todo o mundo,
serve para muita meditação a governantes e governados.
Serve para lembrar que a opressão e a tirania não são eternas,
e nem duram para sempre a subserviência e a humilhação.

Quando caiu a Bastilha, símbolo da dominação de classes insensíveis aos reclamos populares, com a massa em fúria destruindo o que encontrava pela frente e matando nobres e potentados, o mundo inteiro foi sacudido em suas estruturas. Em muitos lugares distantes os povos despertaram para movimentos reivindicativos de direitos e de liberdade. Houve, a partir de então, mudanças profundas nas bases socioeconômicas de diversos países.

Mais que movimento de um povo, uma idéia universal, a Revolução Francesa teve marcante influência e ajudou a mudar os destinos de muitas nações.

E por isso a data deve ser lembrada.

Para se lembrar, também, que não se suprimem impunemente as liberdades dos povos, e que as classes em que se divide a sociedade não devem separar-se ao ponto de se criar entre si um abismo.

Para se lembrar que capital e trabalho não se devem hostilizar, mas viver em harmonia e recíproco respeito.

Para se lembrar que não é destruindo os ricos que se promove a ascensão dos pobres, e que as supremas e mais caras aspirações da humanidade não são obtidas quando se nivela por baixo o atendimento às necessidades humanas.

Para se lembrar que os que detêm o poder possuem, também, mais obrigações, e na medida em que mais mandam, mais devem prestar contas.

Para se lembrar que os govêrnos existem para servir às nações e promover o bem-estar dos povos.

Para se lembrar que patrões e empregados não devem ser inimigos, odiando-se e vivendo em conflito, mas, isto sim, devem juntos procurar soluções, ouvindo-se mutuamente e cada lado procurando examinar os problemas e dificuldades do outro lado.

Ainda hoje há muitas Bastilhas a serem tomadas por todo o mundo.
Há uma Bastilha em qualquer lugar em que o povo seja oprimido pelos seus dirigentes. Há uma Bastilha em todo lugar onde os direitos são pisoteados, onde a liberdade é esmagada, onde minorias se impõem e escravizam, onde grupos ou classes oprimem e exploram e se beneficiam e locupletam, insensíveis às agruras da imensa legião de humildes e necessitados que formam a maioria das pessoas.

Por isso a data em que se comemora a Queda da Bastilha, deve efetivamente ser evocada, e por todo o mundo, em todos os países, porque a idéia que plantou germinou por toda parte, transcendeu as fronteiras e atravessou os oceanos tornando-se universal.

Ninguém oprime impunemente para sempre.
Há que se viver em harmonia, com respeito, pois, afinal de contas,
somos todos iguais perante Deus e perante a lei!


(Do livro 'NOSSO ENCONTRO', coletânea de crônicas radiofônicas de Ubiratan Lustosa e do site ww.ulustosa.com).

Fonte: A QUEDA DA BASTILHA - Autor: Ubiratan Lustosa


Clique e escreva para: pbradialista@yahoo.com.br


Clique abaixo e subescreva o BLOG do Paulo Branco - Radialista
Bookmark and SharePingar o BlogBlogs Adicione PB ao Google Reader Add to Technorati Favorites

Nenhum comentário:

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html