quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Avós felizes e seus netos maravilhosos (01)

Eu sou a Luisa neta preferida de meus avós Wasyl e Dilva (claro sou a primeira e única kkkkkk). Minha mãe é Liana e meu pai é o Flávio.

Adoro minha família e sou feliz

Meu vô é, como ele mesmo diz ,amigo/irmão ,do tio PB e da tia Nadia

Cientistas explicam relação entre excesso de peso na infância e obesidade dos adultos


Medir peso e altura de bebês é rotina obrigatória nos primeiros anos de vida das crianças. Na Grã-Bretanha, cientistas anunciaram novidades sobre razões da obesidade.

Marcos LosekannLondres - 26/12/08


Fofinho, redonducho - uma criança assim pode até ser engraçadinha. Mas na verdade essa condição tem tudo para ser o prenúncio de uma doença: a obesidade. Gordinho na infância, obeso na maturidade. Os pesquisadores acompanharam 233 crianças do nascimento à adolescência na Grã-Bretanha. Concluíram que a obesidade infantil pode ser definida até os 5 anos de idade. Muito antes dos pais geralmente começarem a se preocupar de fato com isso.

Leia mais sobre Ciência e Saúde no G1

Uma mãe reconhece que errou com a dieta da filha. Agora a menina terá que suar para ficar em forma. “Acabei de inscrevê-la em uma academia”, diz a mãe.

“Vou ter que nadar e correr todos os dias depois da escola, porque não quero ser assim quando crescer”, prevê a filha.

Um pai, com duas filhas magras, ensina: “incentivo comida caseira, com pouco azeite. Não poupamos em peixes, verduras. Elas estão bonitas e fortes” diz, todo orgulhoso.

Segundo a pesquisa, uma em cada quatro crianças de até 5 anos é obesa na Inglaterra. Elas fatalmente podem se tornar adultos obesos também. Maior densidade calórica dos alimentos, porções mais generosas de comida, sedentarismo alimentado ainda mais por jogos eletrônicos e outras diversões de pouca atividade física. Tudo isso contribui, segundo os pesquisadores, para ampliar o resultado da balança.

Em contrapartida, os cientistas lembram que obesidade é um dos poucos problemas sérios de saúde que podem ser revertidos. Além de fazer exercício, é preciso ficar longe da geladeira e de suas guloseimas nem sempre saudáveis.

De acordo com a pesquisa, o peso aos 5 anos de idade é um bom indicativo para se prevenir uma futura pança.


Aproveite e visite, escreva ou indique também o BLOG do Paulo Branco - Radialista
Veja e baixe os vídeos do Canal Paulo Branco no Vodpod
Ouça todos os áudio em Paulo Branco no Tunepak
Escreva para a Jacaroa : noemifarias13@gmail.com
Bookmark and Share
Subscreva Blog da Jacaroa

Nomes e apelidos de candidatos no Paraná

É claro que cada uma pessoas que se candidata a um mandato, seja no legislativo ou executivo, é aconselhado a usar todos os truques para obter o máximo de votos possível.

E assim surgem o Fulano da Ambulância, do Postinho, do Rodeio, e quem não os conhece fica imaginando qual ambulância, postinho ou rodeio?

Coletamos mais alguns nomes que surgem do nada, e, na maioria das vezes, depois de servir de escada para políticos mais tarimbados, voltam ao nada, politicamente falando.

Fulano da Tropical - Do Torno Movel - Rivabem - Luís do Pão

Do Rodeio - Ciclista - Charopinho - Pescador - Hélio Looko

Joaninha - Brasileiro - Amigo - Noroeste - Chik Jeitoso

Gordinho do Suco - Nego D'agua - Jajá - Corneteiro - Lentilha

GRI - Nego da Rádio - Rosinha - Marcelino Pão e Vinho

Dropa - Reif - Ratinhos - Leite - Pavão

Jairinho - Tomate - Sarandi - Meirinho




Façam suas escolhas, senhoras e senhores!!!

Problemas mentais afetam cada vez mais os trabalhadores


Quarta-feira, 21/07/2010

Estudo do INSS revela que, em seis anos, os afastamentos de funcionários por causa de problemas mentais têm crescido muito. A depressão e a síndrome do pânico podem atrapalhar a vida profissional.

temas relacionados

jornalismo mercado de trabalho Distrito Federal Rede Globo trabalho e emprego Bom Dia DF



Aproveite e visite, escreva ou indique também o BLOG do Paulo Branco - Radialista

Veja e baixe os vídeos do Canal Paulo Branco no Vodpod

Ouça todos os áudio em Paulo Branco no Tunepak

Bookmark and Share
fonte: Blog da Jacaroa

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Carta sobre descriminalização da maconha divide neurocientistas

Documento defende discussão sobre descriminalização da droga.Carta é assinada por membros da diretoria de entidade representativa.

Marília JusteDo G1, em São Paulo - 15/07/2010

Carta defende discussão sobre descriminalização de maconhaCarta defende discussão sobre descriminalização
de maconha (Foto: Reprodução/Site da SBNeC)

Uma carta que pede a discussão da descriminalização do uso recreativo da maconha assinada por quatro neurocientistas brasileiros dividiu opiniões entre os pesquisadores da área. Dos quatro signatários, três são membros da diretoria da Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC). Nesta quinta-feira (15), a entidade divulgou uma nota esclarecendo que o documento não é representativo de toda a SBNeC.

“A carta foi originalmente escrita por diretores, mas ela não fala em nome de toda a SBNeC”, afirmou o presidente da entidade, Marcus Vinícius Baldo, da Universidade de São Paulo, ao G1.

O documento, divulgado originalmente no jornal “Folha de S.Paulo” na quarta-feira (14), foi redigido como forma de protesto contra a prisão do músico carioca Pedro Caetano, acusado de tráfico de drogas, e assinado pelos cientistas Cecília Hedin-Pereira, João Menezes, Stevens Rehen e Sidarta Ribeiro. Os três primeiros são da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Ribeiro, do Instituto Internacional de Neurociências de Natal. Cecília Hedin-Pereira é vice-presidente da SBNeC, Ribeiro é secretário e Rehen é tesoureiro.

“Nosso objetivo com a carta é mostrar uma situação que a gente acha que tem que ser discutida. Não falamos em nome de ninguém além de nós mesmos” afirmou Stevens Rehen ao G1. “Não acreditamos que seja certo confundir usuários com traficantes e a sociedade precisa discutir isso”, diz ele.

No texto, Rehen e seus colegas afirmam que “em virtude dos avanços da ciência que descrevem os efeitos da maconha no corpo humano e o entendimento de que a política proibicionista é mais deletéria que o consumo da substância, vários países alteraram suas legislações no sentido de liberar o uso medicinal e recreativo da maconha. (...) A discussão ampla do tema é necessária e urgente para evitar a prisão daqueles usuários que, ao cultivarem a maconha para uso próprio, optam por não mais alimentar o poderio dos traficantes de drogas”.

As afirmações foram rebatidas por colegas de SBNeC. O neurocientista Jeferson Cavalcante, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), discorda da iniciativa. “Aos cientistas cabe apenas dar os fatos, não opinar sobre o que a sociedade deve fazer. Uma coisa é mostrar os efeitos da maconha no cérebro. Isso é o aspecto científico. Mas há um aspecto social e cultural envolvido nessa questão também”, acredita.

“Fiz trabalho social e vi com meus próprios olhos que a maioria dos jovens viciados em drogas começa com a maconha. A maconha é o primeiro passo. Eles cheiram cola porque não têm dinheiro para comprar maconha. Não se pode ignorar isso”, critica Cavalcante. "Se a sociedade civil quiser consultar os neurocientistas sobre o efeito da maconha no cérebro, daremos nosso parecer científico. Se vamos assinar algo enquanto neurocientistas devemos nos ater a isso”, afirma. "Todos temos direito a nossas opiniões pessoais sobre qualquer tema, mas não devemos misturar posição pessoal com profissional", diz ele.

maconha assisPlantação de maconha apreendida em casa de
estudante em Assis (SP) (Foto: Reprodução/ TV Tem)

Gilberto Fernando Xavier, da USP, afirma que “como qualquer medicamento, é preciso analisar se os benefícios superam os malefícios [da maconha]”. “Existem evidências fortes e substanciais para que se pense que a maconha possa ser usada para tratamento de algumas doenças. Para o uso recreativo ainda falta avaliar em extensão se algum benefício eventual pode compensar os malefícios de alteração de atenção e memória que sabemos que ela causa”, diz.

O presidente da SBNeC diz respeitar a opinião dos quatro signatários da carta, mas discorda da “dimensão que essa história tomou”. “A discussão extrapolou as balizas científicas e adquiriu uma cor ideológica que de forma alguma tem o apoio da SBNeC. Com isso eu não concordo”, afirma Marcus Vinícius Baldo.

Ele conta que após a divulgação do documento, recebeu desde mensagens de apoio até críticas dos três mil membros da SBNeC. “Como é um assunto polêmico, vi desde aplausos até vaias. Não há uma opinião oficial da SBNeC até existir uma discussão que envolva todos os membros”, afirma.

Íntegra da carta:

“A planta Cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha, é utilizada de forma recreativa, religiosa e medicinal há séculos mas só há poucos anos a ciência começou a explicar seus mecanismos de ação. Na década de 1990, pesquisadores identificaram receptores capazes de responder ao tetrahidrocanabinol (THC), princípio ativo da maconha, na superfície das células do cérebro. Essa descoberta revelou que substâncias muito semelhantes existem naturalmente em nosso organismo, permitiu avaliar em detalhes seus efeitos terapêuticos e abriu perspectivas para o tratamento da obesidade, esclerose múltipla, doença de Parkinson, glaucoma, ansiedade, depressão, dor crônica, alcoolismo, epilepsia e dependência de nicotina, entre outras enfermidades. A importância dos canabinóides para a sobrevivência de células-tronco foi descrita recentemente pela equipe de um dos signatários, sugerindo sua utilização também em terapia celular.

Em virtude dos avanços da ciência que descrevem os efeitos da maconha no corpo humano e o entendimento de que a política proibicionista é mais deletéria que o consumo da substância, vários países alteraram suas legislações no sentido de liberar o uso medicinal e recreativo da
maconha. Ainda que sem realizar uma descriminalização franca do uso e do cultivo, o Brasil veta (através do artigo 28 da Lei 11.343 de 2006) a prisão pelo cultivo de maconha para consumo pessoal, e impõe apenas sanções de caráter socializante e educativo. Infelizmente
interpretações variadas sobre esta lei ainda existem. Um exemplo disto está no equívoco da prisão do músico Pedro Caetano, integrante da banda carioca Ponto de Equilíbrio. Pedro Caetano está há mais de uma semana numa cela comum acusado de tráfico de drogas. O enquadramento incorreto como traficante impede a obtenção de um habeas corpus para que o músico possa responder ao processo em liberdade.

A discussão ampla do tema é necessária e urgente para evitar a prisão daqueles usuários que, ao cultivarem a maconha para uso próprio, optam por não mais alimentar o poderio dos traficantes de drogas. Em seu próximo congresso, de 8-11 de setembro próximo, a Sociedade Brasileira de Neurociências e Comportamento (SBNeC) irá contribuir para a discussão deste tema pouco conhecido da população brasileira. Um painel de discussões a respeito da influência da maconha sobre a aprendizagem e memória e também sobre as políticas públicas para os
usuários será realizado sob o ponto de vista da neurociência. É preciso rapidamente encontrar um novo ponto de equilíbrio.

Cecília Hedin-Pereira (UFRJ)
João Menezes (UFRJ)
Stevens Rehen (UFRJ)
Sidarta Ribeiro (UFRN)"


Aproveite e visite, escreva ou indique também o BLOG do Paulo Branco - Radialista
Veja e baixe os vídeos do Canal Paulo Branco no Vodpod
Ouça todos os áudio em Paulo Branco no Tunepak
Escreva para a Jacaroa : noemifarias13@gmail.com
Bookmark and Share
Subscreva Blog da Jacaroa

Manoel Carlos Karam

A Editora Curitibana Kafka Edições ,lança de uma só vez, os três primeiros livros que Karam publicou:

Fontes Murmurantes (1985)

O Impostor no Baile de Máscaras (1992)

Cebola (1997)

Os três títulos que formam a Trilogia de Alhures do Sul, serão lançados na próxima sexta-feira, primeiro de Outubro à 20 horas, no Jokrs, bar situado na mesma rua São Francisco, onde Karam viveu tantas aventuras em passado repleto de inventividade.

-

Os jornalistas Sandro Dalpícolo e Jorge Narozniak ,participam no próximo dia 7, do Café Literário com o tema "Uma Noite de Histórias", que ocorre paralelamente à Primeira Bienal do Livro do Paraná.

Ambos são autores dos livros Uma Nova Luz na Sala-A História da TV Paranaense e Histórias do Paraná,escritos por ocasião das comemorações dos 50 anos da RPCTV e que serão pré lançados na Bienal.

O livro da Dalpícolo conta a história da chegada da televisão ao Paraná, a influência do Rádio ,a disputa pela audiência e os improvisos, já que tudo era feito ao vivo.

O lançamento oficial correrá dia 28 de Outubro, véspera da data de fundação da Sociedade Rádio Emissora Paranaense, atual RPCTV, na sede da Emissora no Bairro Mercês na Capital do Paraná.

Na mesma data será aberta uma exposição comemorativa dos 50 anos da televisão em nosso Estado.

Mania de guardar tralhas pode virar doença


Quarta-feira, 11/08/2010

A mania de guardar coisas sem utilidade, para um dia que nunca chega, é muito comum, mas pode se tranformar em doença. Entenda quando o hábito de colecionar vira síndrome de diógenes.

temas relacionados

doenças jornalismo Bom Dia Rio Rede Globo Rio de Janeiro RJTV

Aproveite e visite, escreva ou indique também o BLOG do Paulo Branco - Radialista

Veja e baixe os vídeos do Canal Paulo Branco no Vodpod

Ouça todos os áudio em Paulo Branco no Tunepak

Escreva para a Jacaroa : noemifarias13@gmail.com

Bookmark and Share
Subscreva Blog da Jacaroa

Sem medo de ser feliz

Paulo Branco (Radialista) - Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Lauro de Oliveira (Paulo Branco), nascido em 16 de setembro de 1931 em Passo Fundo (RS), tem o sobrenome Branco no seu pseudônimo em homenagem a sua mãe, e o Paulo oriundo do seu pai. Entrou para as lides radiofônicas na Rádio Cultura de Erechim (RS), após prestar serviço militar.

Foi lá pelos idos de 1952, que iniciou carreira de radialista, sendo noticiarista ou um ledor de noticiários, de grandes jornais falados como se dizia na época, e das edições de hora em hora. Ao passar do tempo, foi também apresentador de programas, redator e repórter.

De lá para cá atuou em várias emissoras Rio Grande do Sul. Chegou às grandes emissoras de Porto Alegre (RS), integrando equipes das Rádios Continental, Itaí, Farroupilha e Gaúcha, sempre como repórter, locutor e redator de notícias. Em 1964 resolveu tentar a vida em outras bandas e parou em Curitiba (PR), onde chegou às 06 horas da manhã e já pela tarde estava contratado pela Rádio Independência. Várias passagens e histórias aconteceram pelas diversas emissoras por onde atuou, ,como as Rádios Guairacá, Iguaçu, Curitibana, Cultura, Atalaia, Cidade, Colombo, Paraná e Educativa.

Passou ainda por Rádios nas regiões oeste e sudoeste do Paraná, além da andança pela Secretaria de Comunicação do Paraná, onde teve o privilégio de prestar serviços para 4 governadores. Na Secretaria de governo, foi contratado CLT e mais tarde, passou a Servidor Estatutário como Agente Profissional-Comunicador Social, permanecendo assim por mais de vinte anos, aposentando como servidor publico. Na década de 70, em funções paralelas ao Rádio, foi Diretor Social do Coritiba Football Club, Presidente do Sindicato dos Radialistas do Paraná, membro da Federação Nacional dos Radialistas e da CONTECOP (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Comunicações e Publicidade), onde conheceu e fez grandes amizades.

Uma das grandes amizades foi com o Wasyl Stuparik (Basílio Junior), uma das primeiras pessoas com quem fez amizade quando chegou na capital paranaense, na década de 60. Fizeram dupla em programas de Rádios, com o Basílio pintando e bordando na técnica de som, e Paulo Branco dando suas "raquetadas" na apresentação. Iniciaram na Rádio Independência, no programa "Paraná Bom Dia", das 05 às 08 da manhã, primeiro lugar de audiência. Isto, a julgar pelas cartas que receberam, festas para as quais eram convidados, almoços e coqueteis.

Antes pela mesma Independência, Paulo Branco apresentava de hora em hora, um grande noticiário conhecido como "Jornal Falado", devido duração e conteúdo maiores, em dupla com Adelson Alves. Também, conheceu os integrantes da famosa Equipe Independência, entre eles, Irineu Silva, Jota Pedro (não confundir com o JP), Camilo Jorge e Ivan Cury, entre outros nomes, todos sob a direção do Jair de Brito. Ainda, os excelentes apresentadores como Wilian Sade, Tonio Luna, Hamilton Correia, Paulo Cesar, Contin Mendes e Gilberto Fontoura.

Outro programa que o Paulo Branco destaca sempre, foi o "Manhã Curitibana" da 06 às 08hs, depois vinha o Nhô Jeca até as 10hs, então entrava o Nassar, vozeirão, inteligente, sabia fazer as coisas, tanto que tem gente até hoje tentando imitá-lo. Nesta altura dos acontecimentos, o PB apresentava o seu programa, fazia os comerciais no programa do Nassar e de tarde apresentava notícias de hora em hora na Emissora Paranaense, que era do Nagibe Chede, pioneiro da TV no Paraná.

Paulo Branco gostava muito também, da madrugada na Guairacá, com o "A Noite é da Elite". Foi uma grande experiência, porque ao invés de conversar com trabalhadores que acordavam cedo para ir trabalhar, foi fazer programa para notívagos, boêmios, motoristas de táxi, pessoal dos bares e por aí vai. Tinha madrugada, que terminava o programa com o estúdio cheio de visitantes, homens, mulheres, muita comida e bebida. Vez por outra surgia um cantor, cantora, instrumentista que estava fazendo show na cidade, e que Paulo Branco anunciava e entrevistava com toda a pompa. Paulo Branco dizia: -"Fiquei sozinho e tomei conta da madrugada curitibana, modéstia a parte. Boêmio eu, só um pouquinho e depois das quatro da manhã, naturalmente.".

Outros grandes sucessos foram os programas "Troca Tudo", e "Grande Maratona da Cidade". Paulo Branco dizia que sempre "colocava o coração no bico da chuteira", como dizia o nosso saudoso e querido Lombardi Junior. Lembra ainda, o "O Paraná canta nas manhãs curitibanas", onde destacava compositores, cantores de músicas populares e outros de "alto coturno", como Bento Mossurunga que compôs o Hino do Paraná, e assim por diante.

Criou também, bastante ousado para a época, o programa "Os que fazem Rádio no Paraná", que era peculiar. PB, como também era chamado, recebia convidados de outras emissoras, que eram instados a fazer o que não faziam em seus programas. Ou seja, comentar futebol, ou declamar uma poesia e tudo aquilo que não eram acostumados. Lançou o programa "Achados e Perdidos", muitos anos antes dos correios.

O projeto era não tocar música neste horário, somente entrevistas com políticos, artistas empreendedores, professores, líderes sociais de todos os níveis. Na produção, estavam Cláudia Paciornick e Débora Ianklevitc. Foi um grande exercício profissional, lembra Paulo Branco. Suar a camisa, era o lema que Paulo Branco gostava de levar aos profissionais das equipes que atuou. Não só cumprir horário, ir para casa e a Rádio que se dane. Deveriam estar sempre bolando algo para melhorar a qualidade do programa que apresentavam, e muitas vezes, uma idéia vinha à cabeça.

Paulo Branco É como escrever uma poesia, a inspiração simplesmente chega. A dica: anote sempre, porque assim como vem, vai, dá um branco e "cadê que a gente lembra". Se não serve para teu programa, por causa da linha de trabalho que você traçou, passe para um colega. Pode ser que para o programa dele encaixe, e talvez, seja excelente.". do interior do chegou a pôr em prática por algum tempo.

A idéia era ter um número de telefone exclusivo, para o programa receber comunicações de achados e perdidos, localizar o interessado e fazer a entrega em seu endereço. Outra grande lembrança, foi quando contratato pela de todas as matizes, citava: - "Paulo Branco segue esse lema até os dias atuais, agora é blogueiro ([1]), onde continua fazendo o que sempre gostou: notícias, comentários, reportagens, entrevistas e narrações.

Tem auxiliado o meio acadêmico da capital paranaense, participando de debates, entrevistas e trabalhos para conclusão de curso na área de jornalismo. Recentemente, no ano de 2009, deixou para a história do Rádio Paranaense, sua imagem e som para o Museu da Imagem e do Som do Paraná ( [2]/ ) (MIS), onde todo o material é de domínio público e disponível para consultas. Agora, deixa sua marca também no "Memória do Paraná - Entrevistas - Personalidades - Rádio", um projeto de Luiz Renato Ribas do CINEVIDEO1 ( [http://www.cinevideo1.com.br/personalidades.php/ ).

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Como ter uma alimentação saudável

Em troca da praticidade dos alimentos industrializados, são consumidos alimentos ricos em gorduras e pobres em nutrientes. A alimentação saudável não é difícil de manter. Em entrevista ao Bom Dia Brasil, uma nutricionista dá mais dicas para o dia-a-dia.

Você sabe dizer o que o seu filho anda comendo? Tentadoras guloseimas estão por toda parte: no supermercado, nas escolas e até mesmo em casa. Mas especialistas dão o alerta: produtos industrializados escondem perigos graves para a saúde. Faltam nutrientes, e sobram gordura e sal.

É cada vez maior o índice de sobrepeso e obesidade entre crianças e adolescentes. A maioria das mães sabe o quanto é difícil convencer os filhos a levar todos os dias uma fruta ou um bom suco para a escola. Porque muitas vezes, na pressa, os pais também acabam optando por alimentos prontos que tem muitas calorias e poucos nutrientes.

A praticidade dos produtos industrializados esconde perigos para a saúde.

“O consumo diário e excessivo desses alimentos pode trazer a obesidade, pode trazer uma diabetes, um colesterol elevado”, alerta a nutricionista Cristiane Kovacs.

Dois pedaços de pizza comprada, semi-pronta, no supermercado têm a mesma quantidade de sódio que se comeria em 20 pratos de filé de frango, brócolis, arroz, feijão e salada de alface, pepino e beterraba. As marcas que contém menos sódio equivalem a 8,5 pratos de estrogonofe de carne, arroz e batata frita.

Além de não serem considerados nutritivos pelos especialistas, alguns produtos industrializados também trazem informações confusas nas embalagens. Em alimentos consumidos por crianças, foram encontrados erros comuns que podem comprometer uma dieta balanceada.

Foi o que apontou uma pesquisa do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec). O instituto descobriu que algumas marcas utilizam valores de dietas de adultos nos rótulos de produtos para crianças. Uma criança de 3 anos tem necessidade de 1.050 calorias por dia. Mas o produto que ela consome tem como base uma dieta de duas mil calorias.

“O pai que escolhe e tenta equilibrar uma dieta com base nas embalagens, certamente vai estar consumindo mais calorias do que o indicado”, afirma o assessor técnico do Idec, Marcos Pó.

Como ter uma alimentação saudável?

A alimentação saudável é um hábito e deve começar desde muito cedo, dentro de casa. Para falar sobre o assunto, o Bom Dia Brasil entrevistou a nutricionista Fernanda Amparo, sobre o que comer ou não.

Bom Dia Brasil: Como comer um sonho sem culpa?

Fernanda Amparo: A partir do momento que temos uma alimentação equilibrada, a gente deve consumir pelo menos um ou dois sonhos, lembrando que é sempre pequeno, uma vez por semana ou a cada 15 dias, no máximo.

Muita gente gosta de comer logo cedo coxinha e também pizza, que são alimentos muito pesados para comer de manhã. Qual o melhor horário para se comer esse tipo de alimento e com que freqüência a gente pode comer uma pizza ou uma coxinha?

Esses produtos não devem ser consumidos logo cedo , porque eles são muito pesados. A gente deve consumir, por exemplo, a pizza no jantar e depois tentar sair para uma balada ou para um cinema para queimar as calorias. A coxinha deve ser consumida sempre no lanche da tarde. Desde que a gente tenha uma alimentação saudável, podemos sempre consumir eventualmente ou uma vez por semana.

Muita gente não tem tempo logo cedo de tomar um café da manhã com uma refeição bem balanceada . Qual a melhor dica para que essa refeição possa ser bem rápida, mas ainda assim saudável?

O pão de todo dia é uma ótima opção. Se a pessoa tiver a oportunidade de comer uma fruta antes ou depois, melhor ainda. O pão integral é a melhor opção. A boa notícia, para quem gosta do pão francês, é que há como comer esse pão sem tanto problema. Deve-se comer sempre o pão francês com margarina, porque a manteiga tem muita gordura saturada e gordura trans. As pessoas devem sempre dar preferência às margarinas isentas de gorduras trans. De preferência, o pão deve ser comido frio, porque na chapa, pelo fato de esquentar essa margarina, ela acaba ficando mais calórica. Tirar o miolo deixa o pão menos calórico, porque a maior parte e de calorias está no miolo.

A maioria das pesquisas indica que a obesidade é resultado de uma má alimentação e ela é mais freqüente nas zonas de periferia de baixa renda.

Na verdade, depende muito do tipo de alimentação. Na periferia, as pessoas geralmente não têm condições de comprar frutas e verduras que são alimentos ricos em fibras. Então, acabam comendo uma grande quantidade de arroz, feijão e bife frito. Já na classe média, as pessoas acabam abusando muito mais do fast-food e acabam recorrendo com mais freqüência a esse tipo de alimentação. De uma forma geral, a obesidade está crescendo bastante.

Qual é a sua maior crítica à dieta das crianças hoje? A falta de fibra? Tem gordura demais? Tem açúcar demais? O que é bom priorizar?

Hoje em dia, é maior a quantidade de açúcares, sódio e valor calórico nos alimentos. Os pais, na correria do dia-a-dia, acabam fazendo lanches prontos com bolinhos, sucos ou leites industrializados. Esses alimentos têm uma grande quantidade de sódio quanto de açúcares e gordura. Então, a melhor opção é sempre uma fruta, ou alguns lanches mais naturais.

O que aquele pai que tem um filho que não quer comer comida saudável de jeito nenhum deve fazer? Qual a melhor estratégia? Simplesmente proibir ou dizer que o filho não vai comer nada enquanto não comer comidas saudáveis? Qual a melhor estratégia para fazer a criança que não quer comer comida saudável de jeito nenhum passar a comer?

A proibição não é o melhor método. O melhor é você tentar negociar com essa criança. Então, a opção é colocar uma fruta ou uma verdura na alimentação e aí liberar. Por exemplo, ele quer comer uma bala. Então, libere uma bala por dia, mas sempre trabalhar com essa negociação.


Aproveite e visite, escreva ou indique também o BLOG do Paulo Branco - Radialista
Veja e baixe os vídeos do Canal Paulo Branco no Vodpod
Ouça todos os áudio em Paulo Branco no Tunepak
Escreva para a Jacaroa : noemifarias13@gmail.com
Bookmark and Share
Subscreva Blog da Jacaroa

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html