terça-feira, 28 de dezembro de 2010

No tempo das carroças

 CID DESTEFAN
O assunto mais falado no momento em todos os espaços da mídia nacional, e por todos os pontos de reuniões, é o desastre envolvendo dois automóveis, ocorrido há pouco mais de uma semana em Curitiba, no qual dois jovens perderam as vidas.
Os comentários gerais, além das outras infrações existentes, versam sobre a velocidade alcançada pelo veículo causador da catástrofe. A celeridade que se pode alcançar com um automóvel nas vias públicas é a causa de muitas calamidades no trânsito.
Há poucos anos, o Fernando Collor – então presidente – comparou os automóveis brasileiros como sendo verdadeiras carroças, o que não era verdade. Hoje a maioria dos carros tem motores que podem proporcionar, com facilidade, velocidades superiores a 200 quilômetros por hora.
O que não deixa de ser uma bestialidade em mãos de irresponsáveis.

A conversa surgiu no bar do Maneco, onde existe uma coleção de fotos antigas, entre elas uma feita na Serra da Esperança, em Guarapuava, na década de 1930. A imagem mostra um comboio de carroças na estrada; cada uma delas era tracionada por oito animais, combinados com a presença de mulas e cavalos. A curiosidade versava exatamente sobre a velocidade de tais carroças: quanto tempo levavam para vencer o trajeto, por exemplo, entre Guarapuava e Curitiba?
Tais veículos estavam preparados para transportar 3 mil quilos de carga, que naquela época era geralmente de erva-mate. Esse transporte era feito então até Ponta Grossa, e daí para frente por via férrea. Não foi possível chegar a calcular o tempo preciso para vencer tal distância.
Por experiência própria, lembro que para vencer o trecho entre minha casa, no bairro do Batel, até a Fazenda Rio Grande, em carroça mais leve e tracionada por dois cavalos, era em torno de 8 horas. O caminho era feito pelo Portão, Pinheirinho e pelo Umbará, onde se transpunha o Rio Iguaçu pela ponte coberta de zinco – não existia a estrada atual.
Tal estrada, construída após o término da guerra em 1945, eu a vi sendo demarcada em frente da casa do colono André Seniski, onde, na infância, passava minhas férias escolares. Tal estrada era a ligação para o Rio Grande do Sul. Lembro ainda que todos se referiam a ela como sendo a Estrada Estratégica. Quando ficou pronta, com seu leito de terra, raramente passavam um ou dois automóveis em toda uma semana.
Tenho, então, a velocidade de uma carroça leve trafegando normalmente, 30 quilômetros percorridos em 8 horas – e obviamente, com parada para lanche e aguar os cavalos – nos dá uma média de 4 mil metros por hora. Fico imaginando que, para chegar ao mesmo local hoje, levo 20 minutos em automóvel, o que vem me dar a certeza de que cheguei a viver um tempo em que ser vagaroso era estar desfrutando boa qualidade de vida.

fonte;GAZETA DO POVO

Nenhum comentário:

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html