terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Jyoti - Beijada de Dentro (Compartilhando)

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

A Gazeta do Povo publicou hoje extensa matéria sôbre Wasyl Stuparik,mais do que merecida.Vai que é tua Basilio.Parabens!

Cinegrafista acompanha o futebol amador curitibano

3

Wasyl Gazeta do Povo Wasyl Stuparyk é figura presente nos jogos da Suburbana (Foto: Maurício Kern)

A semifinal da Suburbana do último sábado (9) foi acompanhada de perto por um cinegrafista que seguiu todos os passos dos jogadores em campo na cabine de imprensa do estádio Recanto Tricolor em Almirante Tamandaré.
Mas a vaga do Trieste contra o Combate Barreirinha, talvez a mais dramática, teve o olhar atento do cinegrafista Wasyl Stuparyk.
Acostumado a filmar partidas de futebol dentro e fora de Curitiba, o cinegrafista da Suburbana  gravou todos os lances da semifinal e gravou a classificação suada do Trieste após 90 minutos de jogo, prorrogação e a decisão por pênaltis.
Wasyl Stuparyk, 66 anos, iniciou a carreira cedo. Aos 12 anos, ele já era operador de som na rádio emissora ZYZ9, localizada na Rua Senador Alencar Guimarães, em Curitiba.
Ele trabalhava durante os jogos do campeonato paranaense e era responsável por carregar fios, instalar as maletas de transmissões, microfones, fones e linhas de som. Sua função era preparar os equipamentos para o som ficar com a melhor qualidade possível para os ouvintes.
Em 1964, ficou por 2 anos na TV Tupi e TV Cultura atuando como operador de som. Não aguentou ficar longe da capital paranaense e teve que voltar da cidade de São Paulo. “Eu ficava toda madrugada na sacada da pensão escutando a rádio Guairacá, de Curitiba, pra matar a saudade”, contou Wasyl.
Desde 1994, ele tornou-se cinegrafista e até hoje faz as filmagens e as edições das partidas de futebol amador e profissional.
Polivalente, Wasyl é idealizador do site www.oradiodoparana.com.br. Um site que conta a história do Rádio e da Televisão do Paraná com depoimentos e fotos de vários profissionais destas áreas.
Ele já esteve presente registrando várias competições importantes no amador durante estes anos. Destaque para Suburbana, Taça Paraná e Sul Brasileiro. Um fato curioso aconteceu na década de 90 durante uma decisão em União da Vitória. Ele foi filmar uma partida decisiva de um campeonato da região. A equipe local havia feito agressões ao árbitro durante a partida. Wasyl, sempre atento, registrou tudo e após o duelo dois torcedores mais alterados invadiram a cabine e o ameaçaram exigindo a fita VHS com as imagens da pancadaria.
“Entreguei a fita e os dois se acalmaram e foram embora rapidamente. Mas eles não imaginavam que eu havia retirado a fita original da câmera e colocado no bolso do meu colete após o final do jogo. Deixei uma fita virgem no lugar da original e eles caíram na minha arapuca,” contou aos risos.
Agora é aguardar a primeira superfinal entre Santa Quitéria e Trieste e assistir as belas imagens do simpático cinegrafista da Suburbana curitibana.

Wasyl arquivo Wasyl Stuparyk, aos 16 anos, operando a mesa de som da Rádio Guairacá, em 1963. (Foto: Divulgação/ Arquivo Pessoal)

domingo, 29 de dezembro de 2013

CANÇÃO PELA LIBERDADE

Quando você canta, eu canto com você, liberdade.
Quando você chora, eu choro com você em tristeza.
Quando você sofre, eu rezo por você, liberdade.
Pois suas Batalhas trarão para nós um novo amanhã.
Os dias de triste escuridão e medo devem alguma dia desaparecer.
Pois a força da sua Bondade e Amor os fará tremer.
Quando você canta, eu canto com você, liberdade.
No vazio da sua ausência eu procuro por você.
Quem é você, uma ilusão de sonho ou apenas realidade?
O Ideal da fé deseja a revolução.
Eu acredito que você seja o símbolo da nossa humanidade.
Iluminando o mundo para a eternidade.
Eu posso ver porque os homens morrem para te defender.
Tentam te guardar, te proteger e te atender.
Quando você canta, eu canto com você, liberdade.
Com suas lágrimas ou suas alegrias eu amo você.
Vamos cantar e regozijar, fazer nossa própria história.
Cantemos com esperança em uma só voz que nos levará a vitória.
Liberdade, Liberdade, Liberdade...

(Cantada por Nana Mouskouri)

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

2 0 1 3 / 2 0 1 4

F E L I Z   T U D O...

                            P A R A   T O D O S ...

                             
                               P A R A   S E M P R E!!!




   (Paulo Branco Radialista,família e equipe do       
     Audioblog Paulo Branco.com)                 

                                                                 


                                  
    


                    


                             
 

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

O maior presente de todos!



Os ossos podem ser quebrados, sim, autoimagens podem ser destruídas, com certeza, o orgulho pode ser ferido, é claro, mas quem realmente somos, antes dos conceitos, jamais foi tocado.


O sobe e desce das ondas não pode danificar a vastidão do oceano. Compreendendo que não há ninguém que possa me machucar, não há ninguém para se perdoar.


O maior presente de todos - a sua própria presença - não pode ser tirada."

~ Jeff Foster
(tradução: Chris M. - Dharmani)

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Daniel e Ana Maria muito obrigado



Daniel Cordeiro é o piloto (motorista) que aparece na foto e foi quem dirigiu o possante do Expresso Nordeste transportando um grupo de excursionistas até o Parque Aguas Claras que está localizado na estrada Alexandra-Matinhos.Tranquilo e altamente profissional.Registramos também o excelente trabalho da Comissária de Bordo (guia de turismo) que esteve presente junto aos viajantes no passeio promovido pelo SESC PR.Obrigado,amigos Daniel e Ana Maria.Até breve.

GRANDES VERDADES!!!


quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Bandeiras e máscaras.(No site o Rádio do Paraná o tema está publicado e com tratamento acústico de alta técnologia)

21 novembro 2013

Manoel de Andrade - Bandeiras e máscaras

Fotos: divulgação

Esse é o tempo cruel que antecede o amanhecer.
Em seu rastro marcham os filhos das estrelas e os herdeiros da penumbra.
Na moldura das horas as intenções se partem.
Ali, os justos ensaiam seus passos.
Acolá, nos becos, os ânimos crepitam
e engatilham seus gestos.
Nas ruas as faces empunham bandeiras,
as máscaras escondem punhais.

Passo a passo, portando consignas e estandartes, a multidão caminha...
ocupam estradas, bloqueiam rodovias, paralisam cidades,
avançam no seio da tarde denunciando os charcos do poder e os leilões 
da mais-valia.
É o nosso “Dia de Lutas”, gritam os sindicalizados.
São cinquenta, são cem mil pedindo tarifas justas,
terras repartidas, quarenta horas semanais...
Faixas, cartazes, coros e gritos:
“Prisão para os corruptos”, “Punição para os crimes da ditadura”.
“O povo acordou, o povo decidiu, ou para a roubalheira, ou paramos o Brasil”.

Eis o espaço do povo,
eis as ruas virtuais,
é a nova democracia,
pelas redes sociais.
Salve moças e rapazes,
salve as faces descobertas,
salve as bandeiras e os sonhos,
erguidos com transparência.

De repente as fronteiras são rompidas,
sobre as cores da paisagem as máscaras armam seus braços,
quais abutres insaciáveis atacam os cristais e escarram na decência.
Atrás dos grandes escudos os uniformes avançam.
Voam coquetéis e pedras, explodem gazes, morteiros,
soam tiros e foguetes entre o fogo e as barricadas.
Salve os agentes da ordem, salve os bons pretorianos.
O verde-oliva e o negro já cruzam suas espadas,
barras, paus e cassetetes
e as razões abaladas.
Chegou a tropa de choque nos trajes da truculência.
Surge o gesto inconfessável,
surge a fraude na vergonha e o flagrante forjado.
Asco aos falcões do cinismo algemando a inocência.

Eis o palco dos tumultos,
eis as cinzas da batalha,
eis o saldo do espanto
e a multidão dispersada.
Restou o ato incompleto,
sem o hino dos professores,
e sem o eco das promessas
na voz dos governadores.
Massacraram a primavera
e a magia da cidade.
Assustaram os pardais,
retalharam a liberdade.
Eis a cultura que herdamos
a esfolar nossas almas.
Abatido por tantos golpes,
o amor é um silêncio
e as avenidas soluçam,
qual um salgueiro de lágrimas.


E agora, eis-me aqui, diante da poesia,
assistindo desabar as velhas torres do encanto...
Perplexo, que posso ainda?
sou apenas um olhar melancólico diante da esperança.
Indignado ante a mística do horror,
quero transformar em versos os protestos, o confronto, as cicatrizes.
A realidade é um idioma intraduzível,
e eu impotente, ante o mistério sinuoso das palavras.
As palavras, oh! as palavras em sua essência,
elas não se revelam a qualquer poeta...
habitam em seu próprio enigma,
são silentes como os hinos do entardecer...
Nesse impasse, entre as imagens e o lirismo,
ante a sensibilidade e a violência,
sei de um roseiral em flor no caminho dos meus passos,
alhures há um campo de espigas que cantam, balançando ao vento
e, nesta palmeira esbelta, a vida é reproclamada nos trinos de um ninho em festa.


Curitiba, outubro de 2013.

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Programa habitacional

Em Terça-feira, 3 de Dezembro de 2013 15:49, Paulo Bearzoti escreveu:
Subject: Condomínio Vertical de Baixo Custo e sem Taxas.
Novo programa habitacional,
Meu poste, minha vida!


Condomínio Vertical de Baixo Custo e sem Taxas.

Duas torres entregues e terceira fase em andamento!


FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html