quarta-feira, 31 de julho de 2013

Aramis Milarchi 1975,comentou...

sábado, 20 de julho de 2013

R E P A S S A N D O

Carta publicada anteontem, no Globo...
Para fazer "a revolução", não precisamos pegar em armas ou acabar com a vida de ninguém. A nossa "arma", são as redes sociais, acredite no poder que nós temos. Basta cada um fazer a sua parte e ampliar.
Tá na sua mão. Na nossa mão.
Seja bastante coerente.
A Carta publicada no Globo

· Voto facultativo? SIM!
· Apenas 2 Senadores por Estado? SIM!
· Reduzir para um terço os Deputados Federais e Estaduais e os Vereadores? SIM!
· Acesso a cargos públicos exclusivamente por concurso, e NÃO por nepotismo? SIM!
· Reduzir os 37 Ministérios para 12? SIM!
· Cláusula de bloqueio para partidos nanicos sem voto? SIM!
· Fidelidade partidária absoluta? SIM!
· Férias de apenas 30 dias para todos os políticos e juízes? SIM!
· Semana de trabalho de 06 dias? SIM!
· Ampliação do Ficha-limpa? SIM!
· Fim de todas as mordomias de integrantes dos três poderes, nas três esferas? SIM!
· Cadeia imediata para quem desviar dinheiro público (elevando-se para a categoria de crime hediondo? SIM!. Atualização dos códigos penal e processo penal? SIM!
· Fim dos suplentes de Senador sem votos? SIM!
· Redução dos 20.000 funcionários do Congresso para um quinto? SIM!
· Voto em lista fechada? NÃO!
· Financiamento público das campanhas? NÃO!
· Horário Eleitoral obrigatório? NÃO!
· Maioridade penal aos 16 anos para quem tirar título de eleitor? SIM!
Um BASTA! na politicagem rasteira que se pratica no Brasil? SIM !!!!!!!!!!!
"O dinheiro faz homens ricos; o conhecimento faz homens sábios e a humildade faz homens grandes." 
 
 
 
DIVULGUEM PELO MENOS
PARA DEZ PESSOAS DA SUA RELAÇÃO.
VAMOS VER SE MUDAMOS O BRASIL? ESTÁ EM NOSSAS MÃOS
 

sábado, 13 de julho de 2013

A QUASE SETENTA ANOS!

Por Isis Nóbile Diniz, da Redação Yahoo! Brasil


Hoje em dia um iPhone na mão de uma criança é um brinquedo manipulado com extrema naturalidade. Quem nasce na era do touch-screen não imagina que está diante de um velhinho que, nesta segunda-feira (14), completa 65 anos de vida: o computador digital. A data marca o lançamento do Eniac (abreviação de Electrical Numerical Integrator and Computer), desenvolvido na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, entre 1943 e 1946. A importância do Eniac está em ser o primeiro computador eletrônico digital que calculava em larga escala.
"O Eniac foi o primeiro do tipo desenvolvido nos Estados Unidos em um projeto bem sucedido e predecessor de computadores importantes para a evolução dessas máquinas", afirma Maria Cristina Ferreira de Oliveira, professora do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP). Segundo a professora, o projeto inicial previa o investimento de US$ 150 mil, mas acabou custando US$ 400 mil. "Na época, para criar qualquer máquina era necessário mihões de dólares", conta Maria Cristina.
Computadores e a guerra
Engana-se quem imagina que, na década de 1940, os pesquisadores pensavam em elaborar um computador para uso pessoal. Essas máquinas se desenvolveram significantemente com a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais. O Eniac, por exemplo, foi criado para calcular tabelas balísticas. "Os americanos queriam saber como deveriam posicionar seus canhões para certar o alvo. Antes do Eniac, esses cálculos exigiam grande esforço humano, sistematizado e automatizado com o computador e que também reduziu erros", explica a professora.
O Eniac demandava muita mão de obra. Ele ocupava uma sala com 300 m2, tinha 2,5 m de altura e pesava 30 toneladas. Possuía 17.470 válvulas que esquentavam e , por queimarem, sempre tinham que ser substituídas. Ele era programado fisicamente por um painel repleto de plugues e chaves - conforme a posição delas, ele executava uma tarefa.
Os dados eram inseridos por meio de cartões perfurados, sendo que o resultado era apresentado em um painel repleto de luzes, chaves e cabos que acendiam ou apagavam de acordo com a função. Realizava cinco mil operações aritméticas por segundo. De acordo com o Computer History Museum, localizado na Califórnia, Estados Unidos, em uma década esse trambolho fez mais contas do que a humanidade inteira tinha feito até então. "Hoje, qualquer calculadora de engenharia é mais rápida que ele", conta Maria Cristina.
História do computador
No livro "Introdução à Programação com Ada 95", o autor Arthur Vargas Lopes conta que as avós dos computadores eram as máquinas de somar no início do século 17. Em meados de 1800, criou-se uma conhecida como "difference engine" que definiu o conceito de computador digital mecânico controlado por programa, que incorporava uma unidade aritmética, uma unidade de armazenamento, mecanismos para leitura e gravação de cartões perfurados para impressão".
Segundo o museu Computer History Museum, o censo de 1890 nos Estados Unidos, com cerca 63 milhões de habitantes, não teria terminado antes de 1900 se não fosse criada a máquina de tabulação que lia dados gravados em cartões perfurados. Inspirado na ideia, em 1934, o computador Mark 1, projetado na Universidade de Harvard, multiplicava dois números de 23 dígitos em seis segundos - um computador atual faz o mesmo em menos de um segundo.
Depois do Eniac, nasceu o Edvac com memória binária - como são os computadores atualmente -, marcando o aparecimendo dos modernos computadores digitais. O Edvac, diferentemente do antecessor, usava a mesma memória para armazenar dados e programas sem a necessadade de alterações na parte física (espécies de manivelas). Em seguida, veio o Univac, primeiro computador comercial. "Antes, os computadores eram essencialmente usados em ambientes acadêmicos e de pesquisa", explica Maria Cristina. "Países, bancos, grandes coorporações tinham interesse nele, já que fazia cálculos funcionando em diferentes contextos", completa.
A demanda pelo computador crescia em meados de 1950. Na época, os interessados reservavam horas para usá-lo. Até que vieram os mainframes, que poderiam ser comprados por um preço mais acessível, mas deveriam ser mantidos em salas refrigeradas. Para aplicações acadêmicas, foram criados os minicomputadores e, em seguida, os microcomputadores e os computadores pessoais (PCs). Até chegarmos ao que conhecemos hoje. Veja a evolução dos computadores, com fotos do Computer History Museum:
Computer History Museum

Computer History Museum

Computer History Museum

Computer History Museum

Computer History Museum

A VOZ NATIVA

Lembranças da Guairacá

fonte: Parana-Online – 27/09/2004 às 22:46:17 – Atualizado em 17/11/2008 às 12:22:07
A Voz Nativa da Terra dos Pinheirais
Uma vez por mês, preferencialmente na última quinta-feira, um grupo de senhores de certa idade reúne-se em torno de uma mesa de restaurante em Curitiba. São professores, advogados, publicitários, médicos, empresários e ex-funcionários públicos que têm algo em comum: fizeram parte do elenco da Rádio Guairacá de Curitiba e ajudaram a escrever a história do rádio paranaense, nos áureos tempos das ondas médias, quando o rádio tinha corpo, alma e conteúdo; era feito ao vivo; locutor sabia falar e tinha voz de locutor; operador de som era um técnico e não se limitava a manusear botões; e o rádio era o grande veículo de comunicação e distração nacional. São os remanescentes da gloriosa ZYM-5, “A Voz Nativa da Terra dos Pinheirais”. Dos “sobreviventes”, costumam responder presente (pela ordem de importância): Elon Garcia, Sérgio Luiz (Picheto), Euclides Cardoso, Renato Mazânek, Ito Fabrício de Mello, Álvaro D’Tullio, Otto Weismeyer, Josué Pinheiro, Alceu Gineste, Luís Renato Ribas, Manoel Afonso, Luís Ernesto, Gilberto Fontoura e o ex-locutor que vos fala.
O encontro normalmente começa com um preito de saudade àqueles que já se foram, como Aluízio Finzetto, Ivan Curi, Wanderley Dias, Acari Juruá, Benevides Prado, Humberto Lavalle, Edumar Pires, Júlio Xavier Viana, Maria Helena, Lourival Portela Natel, Abílio Ribeiro, Colombino Grassano, Alcindo Palhares, Aníbal Coderini, Afonso Riesemberg, Colmar Rocha Braga, Gedeon de Souza, Janguito do Rosário, Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, Martins Rebelatto, Remy Dullius, Enoli Brígida, Romualdo Ousaluk, Orlando Alberti, Werner Riecks, Medeiros Filho, Bráulio Prado, Paulo César (Etevaldo Cunha Santiago), Gilberto Cadamuro, Israel Correia, Manoel Muzillo, Caiuby Muniz, Enéas Faria, entre outros. Depois, lamenta-se a ausência dos que não puderam vir (ou não foram localizados), como Jair Brito, Ália Haddad, Ayrton Marino, Archimedes Macedo, João Féder, Túlio Vargas, Norberto Castilho, Mansur Teófilo, Zé Pequeno, Cândido Gomes Chagas, Mauro Edson, Dilson Sallas, Itané Leão, Aloar Ribeiro, Evanira dos Santos, Kit Abdala, Boleslau Sliviany, Yara Dinah, Adelson Alves, Darcy Costa, Gerson Paes, Hugo Luciano, Luiz Carlos Rosa, João Isidoro, Maria Aparecida, Denísio Belotti, Osmar Hagmeyer, Pier Nota, Pedro Boralli, Carneiro Neto, Rafael Iatauro…
A pauta da conversa é variada, com destaque para os grandes feitos da “Taba M-5″ e as mancadas históricas diante do microfone. Outra obrigação à mesa é falar mal de antigos colegas, presentes ou ausentes (preferencialmente dos ausentes, porque, segundo Ariano Suassuna, falar mal de alguém na frente dele é sempre constrangedor, para as duas partes).

Prólogo

Na última reunião do grupo, o assunto inicial foi o recém- lançado livro Sintonia Fina -Histórias do Rádio, de Jamur Júnior, no qual o autor, com o propósito de contar a história do rádio paranaense, marca mais a própria presença no dito, como, aliás, já fizera com o anterior, sobre a TV.
- O Jamur tem ressentimento da Guairacá, diagnosticou um dos presentes. Ele quis trabalhar lá, nos anos de ouro, mas não conseguiu. O Curi até pensou na hipótese, mas isso só ocorreu quando a emissora já amargava fase de decadência, um pouco antes de virar Iguaçu.
Aí o diálogo pegou fogo:
- Não é bem isso. Na verdade, o Jamur foi uma figura importante na história da televisão, mas no rádio dos anos dourados teve uma presença apenas periférica.
- Ele teve algum destaque na Rádio Cultura, de Abílio Holzmann, que também ficava na Rua Barão do Rio Branco. Diz que atuou na Colombo e na Ouro Verde, mas não há lembrança disso. Na Independência, também foi só muito tempo depois.
- Sobre a Guairacá, creio, ele andou perguntando apenas ao Féder e ao Gilberto Fontoura. (Nota do redator: Gilberto não se achava presente naquela noite.) E o Gilberto era então apenas uma criança, que atuava no “Clube Mirim”, do Finzetto, e depois passou a ajudar o pessoal do esporte.
- É, mas o Jamur gosta dele. Nós também gostamos, mas ele não é a única fonte disponível.
- O valor do livro do Jamur é inegável, como também é inegável que muita gente importante na trajetória do rádio no Paraná foi esquecida, não se sabe se propositadamente ou não.
- Realmente, deixar de citar pessoas como Nilda Ferreira, Dulce Soares, Camilo Jorge Grabski, Zé Pequeno, Remy Dullius, J.J. Puppia, Eolo de Oliveira, Gedeon de Souza, Hugo Luciano, Ivo Garcia, Edmond Fatuch, Ália Hadad, Antônio Carlos Rocha, Adelson Alves, Antero da Silveira, Edson Luiz Militão, Mauro Edson, Moacyr Pereira, Luiz Renato Ribas, Luiz Augusto Xavier, Milton Müller, Mano Bastos, Olegário Mariano, Kolbert Elias, Pedro Sartorelli, Roberto Souza, Luiz Menzel, Alceu Gineste, Renê Barwinski, Luiz Rodrigues, Álvaro D’Tullio, Rogério Camargo, Victo Johnson, Victor Miroslau, Reinaldo Camargo, Sil Viany, Camargo Amorim, Sansores França, Adilson Machado, Ismael Lago, Paulo Branco, Hélios Chasko, Francisco Rocamora, Harley Santos, Jair Souza Dias, Alceu Schuab e tantos outros, é não conhecer a história do rádio do Paraná.
- Pior do que isso, nomes de importância indiscutível, com os quais ele conviveu na televisão, como Romualdo Ousaluk, Flávio Menghini, Mário Bittencourt, Fritz Bassfeld, Tônio Luna, Carlos Marassi…
- E o Renatinho Mazânek, aqui presente, que conhece como poucos a história do rádio paranaense, participou dela diretamente e foi quem levou o Jamur para a televisão, nos primeiros tempos do Canal 12?!
- Mais destaque e importância deveriam ter merecido, também, José Wanderley Dias, Aluízio Finzetto, Irene Moraes, Sérgio Luiz, Euclides Cardoso, Tônia Maria, Souza Moreno, Mário Vendramel, Azor Silva, Ivo Ferro, Belarmino e Gabriela, Hamilton Corrêa, Antenor Santos…
Aí sobrou para mim:
- E você, Célio, que, além de haver atuado como locutor e apresentador nas rádios Santa Felicidade, Guairacá, Colombo, Ouro Verde, Cruzeiro do Sul e Independência, assinou importantes colunas sobre rádio nos jornais A Tarde, O Dia e Última Hora?…
Fui obrigado a responder:
- É, mas como colunistas também deixaram de ser citados e consultados Luiz Renato Ribas, do Diário do Paraná; Marcus Aurélio de Castro, do Correio do Paraná, e Zeno Otto, da Tribuna do Paraná.
O Jamur certamente não precisou da nossa ajuda. Depois, Célio Guimarães hoje têm três: o original, aqui presente, e dois como pseudônimos, um na Rádio Globo, de São Paulo, e outro na Difusora FM, da Lapa.
Passado o momento inicial de lamento e indignação, retornou-se a rotina e voltou-se a tratar do que é mais caro para os comensais: o culto à memória da velha “Voz Nativa da Terra dos Pinheirais”.
Esta terra tem dono!
A Rádio Sociedade Guairacá Ltda., ZYM-5 – a terceira emissora de Curitiba (depois da Clube Paranaense, de 1924; e da Marumby, de 1946, embora esta tivesse os estúdios e transmissores em Campo Largo) e a quarta do Paraná (em 1940, fora inaugurada a Clube Pontagrossense) – iniciou suas atividades em 19 de outubro de 1947. A concessão fora outorgada um ano antes, em 24 de dezembro de 1946, a um grupo de empresários e políticos, liderado pelo então governador do Estado, Moyses Lupion (os demais eram João Brasílio Ribas, Murilo Lupion de Quadros, Aluízio Finzetto, Honorato Lupion Pereira e, posteriormente, Pedro Máximo Lupion).
Com transmissores no bairro do Guabirutuba e torre no Corte Branco (hoje, Atuba), os estúdios e a administração da emissora já ocupavam todo o andar superior do amplo sobrado da Rua Barão do Rio Branco n.º 167, esquina com a José Loureiro, sobre as Lojas Hermes Macedo. No topo da escadaria de acesso, no salão da recepção, tinha destaque a imagem-símbolo da “Voz Nativa da Terra dos Pinheirais”: o cacique Guairacá, com o seu bastão, que se tornara célebre no episódio em que expulsou os invasores do território paranaense com uma sonora pancada no chão e a histórica frase “Esta terra tem dono!”.
Escola de rádio
– Desde o início, a Guairacá foi uma escola! – recorda o jornalista Cândido Gomes Chagas, que iniciou ali a sua carreira, então como repórter esportivo, completando: “Mas além de radialistas, ali se formaram grandes amizades. A equipe era composta de jovens, estudantes em sua maioria, que faziam rádio por amor, sem grande preocupação com o profissionalismo”.
O fato é que, com seus 10kW de potência (uma fábula para a época), a nova emissora já nasceu grande. Com uma programação eclética e “cast” próprio – que incluía locutores, apresentadores, noticiaristas, técnicos de som, produtores, equipe de esportes, atores e atrizes, cantores, humoristas e até uma orquestra completa, regida pelo maestro Bento Mossurunga -, “A Voz Nativa da Terra dos Pinheirais” mandava ao ar, pelos 560kc, música, notícia e diversão, em programas de estúdio (eram três) e de auditório, novelas, reportagens e jornadas esportivas. Uma de suas principais estrelas era a dupla caipira Nhô Belarmino e Nhá Gabriela, que fazia a festa aos domingos em “A Feira da Alegria”:
“O boa noite das Casas Lorusso / O nosso boa noite
também / Muitas felicidades / E que o anjos digam amém”.
Outra figura marcante, na época, foi José Wanderley Dias, então um jovem estudante de direito. Ele escrevia programas, criava vocabulário e colecionava sucessos. Um deles foi a série “Os Troncos dos Pinheirais”, em 1953, em comemoração ao centenário do Paraná, com a radiofonização semanal da vida de algumas das mais representativas figuras do Estado.
“Cem anos de imortais, perenes glórias,
Guardados na mais linda das histórias,
Cem anos como iguais, ouvi, não há:
Centenário e glorioso Paraná!”.
A narração era de Aluízio Finzetto, com a participação do “Cast Correia Jr”: Edumar Pires, Ivan Curi, Acari Juruá, Júlio Xavier Viana, Maria Helena, Esli Iara, Benevides Prado, Rocha Braga, Enoli Brígida, Celso Veras, Diva Muniz e Afonso Riesemberg.
Do alto da Magirus
A liderança nas transmissões esportivas era indiscutível. Nem que, para isso, fossem necessárias algumas façanhas. Uma delas, também lembrada por Cândido Gomes Chagas, ocorreu em fevereiro de 1948 e virou notícia nacional: “A diretoria do C.A. Ferroviário (hoje, Paraná Clube), descontente com comentários de Rocha Braga, proibiu a entrada do locutor no Estádio Durival de Brito. Mas a emissora decidiu que sem o Braga não tinha transmissão. Encontrou-se a solução junto ao Corpo de Bombeiros: uma escada “Magirus” foi levantada na área externa do estádio e, do topo da mesma, a dupla Rocha Braga-João Féder cumpriu a sua tarefa. Tudo saiu perfeito e o ibope, como sempre, estourou”.
O próprio Candinho, como repórter, fez o vai-e-vem do campo e dos vestiários à improvisada cabine. Na semana seguinte, os cartolas cancelaram a punição. Na equipe esportiva, além de Rocha Braga, Féder e Candinho, atuavam Colombino Grassano, Mbá de Ferrante, Flávio Ribeiro, Wanderley Dias, Fernando e Álvaro Zgôda, Carlos Langer Neto e João Ribeiro.

Atrações M-5

Além dos programas já citados, do radioteatro e das jornadas esportivas, fizeram história no microfone de ZYM-5, entre tantos: “Clube Mirim” e “Clube Juvenil M-5″, com Aluízio Finzetto; “Caixa de Surpresas”, com Júlio Xavier Viana; “Hora da Ave Maria”, com Lourival Portella Natel; “Turbilhão de Atrações”, com Paulo César; “Grande Jornal Falado Guairacá”, com Ivan Curi e Elon Garcia; “O Mundo em que Vivemos”, de Romualdo Ousaluk; “Terra de Homens”, de Norberto Castilho; e “Aí Vem o Sucesso!”, de Euclides Cardoso, com Sérgio Luiz, depois Hugo Luciano e, finalmente, o locutor que voz escreve.

Declínio, silêncio e saudade

No final da década de 60, com o a ditadura militar e a perseguição aos políticos, entre os quais o ex-governador Lupion, a Guairacá entrou em declínio: começou a perder anunciantes e elenco, e acabou sendo transferida para Samuel Silveira, da Rádio Cruzeiro do Sul. Em 1968, foi negociada com o Grupo Paulo Pimentel, passando a denominar-se, a partir de 1972, Rádio Iguaçu, com uma programação musical e de utilidade pública.
Em 1977, como parte do boicote político sofrido pelo ex-governador Pimentel, a emissora teve a sua concessão cassada pelo governo federal. E deixou o ar, definitivamente, às 10h55h30s do dia 27 de maio de 1977. A mensagem de despedida, escrita por Euclides Cardoso, foi lida pelo locutor Nestor Batista, hoje conselheiro do Tribunal de Contas do Estado.
Nos instantes finais, ouviu-se a Valsa do Adeus e Adeus, Amor, a hora certa e a voz de Nestor Batista: Som para ficar na lembrança…

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html