segunda-feira, 30 de setembro de 2013

MEMÓRIA CURITIBANA


MEMÓRIA CURITIBANA.
FERRO DE PASSAR ROUPA.
Ubiratan Lustosa.
“Não era fácil passar roupa antigamente.
 Não havia ferros elétricos e o aquecimento dos ferros antigos era feito com brasas. 
 Abria-se a tampa do ferro para colocar dentro dele alguns tições retirados do fogão à lenha com o uso de tenaz.
 Para ativar as brasas as pessoas balançavam o ferro de um lado para o outro, num vaivém que ia soltando cinzas e fagulhas sobre o chão. 
A fim de evitar que o soalho ficasse manchado esse balanço era feito na porta da cozinha.
 Vez ou outra era preciso tirar o acúmulo de cinzas e avivar as brasas.
 Isso era feito soprando nos vãos que havia nas laterais dos ferros. 
Os olhos ficavam ardidos com a fumaça que saia.
 Ao passar a roupa era preciso muito cuidado, pois às vezes as brasas estralavam e as fagulhas que saiam deixavam manchas de queimado na fazenda.
 Já se usava umedecer a roupa para deixa-la bem passada, mas isso era feito com um paninho molhado que se esfregava sobre as peças.
 Corria-se também do risco de aquecer demais o ferro e manchar as roupas; não havia um controle de temperatura como agora.
 Na verdade passar roupas era uma tarefa bem mais difícil do que é hoje em dia”. 

Trecho do livro “Raia, Setra, Sapecada e outras narrativas curitibanas”, disponível no Instituto Memória Editora. 

Nenhum comentário:

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html