quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

UTILIDADE PÚBLICA




Tinta antipichação ajuda preservar patrimônios
Uma tinta que não deixa a pichação se fixar. É só limpar e a sujeira sai na hora. É como apagar uma lousa. A parede fica nova como se tivesse acabado de ser pintada. O produto foi desenvolvido pelos químicos Francisco Lira e Hildebrando Lucas. Eles se inspiraram num fenômeno da natureza. Os químicos ficavam intrigados com a capacidade das folhas se manterem limpas. “As folhas, apesar de estarem sempre cheias de sujeira, quando a água da chuva bate, arrasta a sujeira com ela. Foi isso que chamou nossa atenção”, conta o empresário Francisco.
No laboratório, Francisco e Hildebrando pesquisaram a capacidade das plantas de se manterem limpas.
“A folha tem propriedade autolimpante porque suas moléculas são pontiagudas. Com isso diminui a área de contato com a superfície da partícula de sujeira”, explica Hildebrando.
Durante dois anos, os químicos testaram aditivos com moléculas parecidas com as das folhas. Eles misturaram os aditivos até criar uma tinta com uma camada antiaderente. O resultado é uma película criada, que tem uma repelência contra a sujeira e a pichação.
Os empresários investiram R$ 100 mil para chegar ao produto final. O dinheiro foi usado em testes e pesquisas de campo. Em um ano a empresa espera produzir 20 mil litros da tinta por mês. O único problema é o preço: por causa dos aditivos, o produto custa três vezes mais caro que uma tinta comum. Um galão de 3,6 litros custa R$ 150.
“Este produto é um pouco mais caro que a tinta convencional. Mas, na repintura, quando você usa uma segunda mão-de-obra, você já está em desvantagem”, opina Francisco.
A tinta antipichação pode ser aplicada em vários tipos de superfície: do concreto ao metal. Num mercado como São Paulo, o produto cai como uma luva. Só este ano, a prefeitura da cidade deve gastar R$ 4 milhões com a repintura de locais públicos pichados. Saber que isso pode ser limpo em minutos, com um balde, escova e sabão, é um alívio para os olhos e para o bolso de muita gente. Cinco minutos depois se vê a diferença. A parede pichada fica limpa.
Embora seja crime previsto em lei, a pichação está em toda a cidade: nos muros, prédios, lojas, bibliotecas, placas, monumentos e igrejas. Durante anos, o médico Paulo Davi se acostumou a chegar ao trabalho e ver com desgosto a frente do consultório pichada. Com a nova tinta, as coisas ficaram mais fáceis.
“Você tem a pichação. Agora, você usa o solvente e a pichação sai. A economia foi fantástica. Imagina você pintar seu imóvel cinco vezes”, garante ele.
Na Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM -, os trens são marcados pelas gangues de pichadores. A companhia passou a aplicar a tinta antipichação.
“A tinta veio solucionar um problema que a gente tinha, que era a pichação. Ela veio resolver 100%, facilitando a nossa manutenção”, elogia o engenheiro da CPTM, Ângelo Nigro.
Hoje, quando um trem é pichado, ele é limpo em minutos e volta a circular.
“Enquanto a gente mantém o trem limpo, está passando para a população a imagem de asseio, de identidade visual conservada. Isso vem sempre diminuir os atos de vandalismo”, completa Ângelo.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

É CARNAVAL!!!


Cabeleira do Zezé é marchinha mais executada da história do carnaval

Trabalhava em uma televisão e de noite gostava de ir para um bar no Leme bater papo com amigos. Tinha um garçom cabeludo e fiz "Cabeleira do Zezé", conta o compositor João Roberto Kelly"
Uma dose generosa de bom humor.
 O dom de observar a vida, os costumes, o jeito de ser do povo brasileiro. Junte-se uma pitada de Lamartine Babo e um toque de Braguinha.
 Talento e espírito carioca: o resultado é João Roberto Kelly. São dele os maiores sucessos do carnaval dos anos 1960 a 1980: da colombina iê-ie-iê à Maria Sapatão, parceria de Kelly com ninguém menos do que Chacrinha.
 E também um certo Zezé, que tinha o cabelo quase no ombros, saiu a marcha "Cabeleira do Zezé".
 A música se tornou a marchinha mais executada de toda a história do carnaval brasileiro. Já tem 46 carnavais.

Dos anos 30 a meados dos anos 60, foram compostos, editados e gravados mais de 15 mil sambas e marchinhas – somente para o Carnaval. Grandes sucessos surgiram, como Agora é cinza (1934), Meu consolo é você (1939), Ai que saudade da Amélia (1942), Lata d’ água (1952), e marchinhas como O teu cabelo não nega (1932), Mamãe eu quero (1937), Touradas em Madri (1938), Jardineira (1939), Aurora (1941), Alá-lá-ô (1941), Piada de salão (1954), A lua é dos namorados (1964). O samba podia ser o ritmo nobre do Carnaval e do resto do ano, mas eram as marchinhas que determinavam a temperatura da folia.
Nas próximas postagens, vocês poderão ouvir O Abre Alas, Allah-la-o, Cachaça Não é Água, Turma do Funil, Máscara Negra, O Teu Cabelo Nao Nega, Me Da Um Dinheiro Ai, Está Chegando a Hora, Cidade maravilhosa, Taí, Até Quarta-Feira, Quem Sabe Sabe, Saca-Rolha, Pierrot Apaixonado, Jardineira, Bota a camisinha, Mulata Ie Ie Ie, Linda Morena, Aurora, Maracangalha, Mulata Bossa Nova, Nós os Carecas, Chacrinha, Bandeira Branca e se houver tempo, muitas outras marchinhas. Valeu!!!

Marchas Inesqueciveis de todos os carnavais - Cabeleira do Zeze

Barracão encena!






quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

LIVROS NOVOS


“O jornalista Jorge Yared pretende colocar no mercado duas obras literárias este ano: “A Essência do Ser”, de conteúdo filosófico, reflexivo e motivacional e “Communicare “ (Técnicas de Oratória e Comunicação Interpessoal), com dicas e técnicas para profissionais que necessitem da comunicação para potenciar seu desempenho.
 O lançamento da primeira obra acontecerá já no próximo dia 25 de fevereiro.
 Já a segunda está programada para ser lançada no segundo semestre.
 “A Essência do Ser” trata da dinâmica dos relacionamentos nos meios organizacional, social, familiar e espiritual.
 Um estímulo à reflexão sobre os desafios do dia a dia na permanente busca da sensação de felicidade.
 O preço de lançamento é de sessenta reais.
 A noite de autógrafos acontecerá a partir das 19 horas do dia 25 de fevereiro, uma terça-feira, no Palacete dos Leões que fica na Avenida João Gualberto, 530, um pouco acima do Colégio Estadual do Paraná.
 Na oportunidade será servido um coquetel.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

VALE A PENA REGISTRAR!

MEMÓRIA CURITIBANA.
O RÁDIO DO PARANÁ.
Ubiratan Lustosa.
“Alice Xavier foi a primeira locutora do rádio paranaense e talvez a pioneira do Brasil. Ela atuou na Rádio Clube nos anos de 1931 a 1933. Foi uma agradável novidade para os ouvintes a primeira voz feminina a fazer locução na emissora.
Na mesma época era locutor Ênio Marques Viana.

 Ele e Alice Xavier anunciavam os nomes das músicas que eram solicitadas pelos ouvintes”.
Do livro
“O RÁDIO DO PARANÁ – FRAGMENTOS DE SUA HISTÓRIA”.
Instituto Memória Editora.
www.institutomemoria.com.br.

REPASSANDO!

Acho que vais curtir!


domingo, 9 de fevereiro de 2014

REPASSANDO


Redação Bonde



 

O tempo passa rápido e quando você percebe não é mais aquele jovem cheio de sonhos. Ninguém quer chegar no fim da vida cheio de arrependimentos, por isso, tenha em mente aquilo que realmente é importante para você e se esforce para cumprir seus objetivos. As vezes estamos tão focados na rotina que deixamos de vivenciar momentos especiais ou não temos coragem de viver uma experiência nova. O site Elite Daily listou "50 arrependimentos que você não quer ter antes de morrer". Selecionamos os 30 mais interessantes para você se inspirar e não deixar nada para depois. Veja:

1. Não ter feito mais sexo. Fica cada vez mais difícil com a idade (na verdade, mais suave).

2. Não ter permitido se apaixonar. Pode ser uma coisa assustadora amar e baixar a guarda , mas a única maneira de se sentir grande prazer é se arriscar a sentir muita dor.

3. Não ter aprendido um idioma diferente. Ele vai inseri-lo em uma cultura totalmente nova e lhe trazer perspectivas.

4. Não ter viajado mais. O mundo é seu; explore-o enquanto você ainda é capaz.

5. Ter comido alimentos excessivamente industrializados. Eles destroem a sua saúde.

6. Não ter se exercitado o suficiente. O corpo é uma máquina. Se você fizer a manutenção necessária, é provável que ele funcione bem por mais tempo.

7. Ter se cercado de amigos horríveis. Diga-me com quem andas e te direi quem és.

8. Ter passado muito tempo em um relacionamento ruim. Você sabia que era horrível, mas não tinha coragem de se desfazer desse peso.

9. Ter abdicado da diversão em muitas noites. A vida pode não ser sempre uma festa, mas deve haver algumas farrinhas espalhadas por aí.

10. Ter se ocupado muito. Ter o que fazer é bom, mas não seja demasiado ocupado para aproveitar a vida.

11. Nunca ter tirado um dia para não fazer absolutamente nada. Para viver basta respirar. Se você quer saber o que realmente é viver, tire um momento para não fazer absolutamente nada.

12. Não ter dado tudo de si quando necessário. Você estava muito cansado. Você preferia fazer outras coisas. Você perdeu sua chance.

13. Ter dado muitas desculpas. Você pode dar as desculpas que quiser, desde que aceite-as como apenas isso: desculpas. Perceber que você mentiu para si mesmo toda a vida não é nada agradável.

Reprodução


14. Ter culpado os outros pelo seu fracasso. Aponte o dedo para o espelho, em vez disso.

15. Ter desistido. Você não pode voltar atrás e refazer o que você já fez – ou, neste caso, não fez.

16. Ter dado lugar aos seus medos. Todos nós temos coisas que nos assustam. A própria vida pode nos assustar. No entanto, dar força aos seus medos é uma maneira covarde de dizer: "eu não quero tentar".

17. Não ter dito que você amava enquanto você ainda tinha a chance. As pessoas não são para sempre. Acidentes acontecem , o envelhecimento acontece. Diga que você ama antes que seja tarde.

18. Passar anos fingindo ser alguém que não é. Você consegue imaginar passar a metade da sua vida escondendo quem você é e fingindo ser outra pessoa? Você não deve passar um dia fazendo isso.

19. Ter se irritado muito, com muita frequência. O mundo não é perfeito. A maioria das pessoas é idiota. Esses fatos não vão mudar. Então por que se estressar?

20. Reclamar em vez de viver. Não sinta pena de si mesmo – é patético.

21. Não seguir a sua paixão. A vida deve ser a sua paixão. Se você não está apaixonado, você não está vivendo .

22. Não ter amado intensamente.

23. Seguir o senso comum. Rebanho é apenas para ovelhas. Você é melhor do que isso.

24. Não sonhar grande o suficiente. Se você for dedicar o seu tempo para alguma coisa, faça disso a coisa mais louca e mais incrível que você puder.

25. Segurar o choro ou o riso. Emoções nos fazem sentir vivos. Deixe-as livres.

26. Não ter tido tempo para experimentar a natureza.  Você vive em um mundo que vai além das paredes de seu apartamento e escritório. Explore-o. Você não precisa ir muito longe para entender melhor qual é a sua função no mundo.

27. Comer os mesmos pratos o tempo todo. Alimentos são uma grande parte da cultura humana. Você não deveria perder um dos prazeres mais deliciosos da vida.

28. Guardar todo o seu dinheiro e nunca desfrutar de nada. Uma das duas coisas vai acontecer: você vai morrer com uma conta bancária muito robusta e sem memórias, ou você vai perder todo esse dinheiro antes de decidir se divertir.

29. Não ser mais sociável. Nossas interações com as pessoas são fundamentais para a nossa felicidade. Não seja tímido, diga "oi".

30. Não apoiar aqueles que estão à sua volta. As pessoas podem fazer o impossível se tiverem o apoio suficiente.

(Fonte: Casal sem vergonha)

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html