sábado, 30 de julho de 2016

Reportagem ouvir rádio antigamente - Rádio.wmv (Rute Duarte - Radialista portuguesa)

quinta-feira, 28 de julho de 2016

[Zoo.] Saruê é de fato um animal, mamífero, parente do gambá, muito conhecido na capital baiana como sariguê, o interessante é que as fêmeas desta espécie tem uma bolsa parecida com a dos cangurus, onde carregam os seus filhotes. São animais de habitus noturno, se alimentam de frutas ou restos de comida se for próximo de área urbana, em zona rural costuma atacar galinheiros.

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Nossa homenagem aos escritores brasileiros!

Um forte abraço ao amigo Anthony e minha homenagem a ele que é escritor e editor. Compartilho seu belo texto:
25 DE JULHO — DIA NACIONAL DO ESCRITOR
Escrever implica em generosidade, coragem e determinação! GENEROSIDADE, pois o que não se compartilha se perde! CORAGEM, pois não é fácil ser vitrine, visto que a maior ocupação dos covardes e frustrados é criticar a quem faz! DETERMINAÇÃO, pois apesar do descaso da sociedade com a cultura em geral, relegando-a a supérfluo, é nec...
Ver mais
Anthony Leahy

sábado, 23 de julho de 2016

Noticia boa ! Adelzon Alves voltará com seu programa na Rádio Nacional RJ.Valeu amigos.Feliz tudo,para todos,para sempre!

Wasyl Stuparyk compartilhou a própria publicação.

Olá amigos, parece que a briga deu certo e ADELZON ALVES volta ao programa na semana que vem. Se isso realmente ocorrer, cumprimentamos a direção da EBC pela pronta resposta e manter o espaço do povo. Eis aí o "memorandum" expedido pela EBC sobre a matéria.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Olha o Pernilongo aí gente !!!

Extra

Pesquisa inédita realizada pela Fiocruz detectou a presença do vírus zika em mosquitos Culex quinquefasciatus (a popular muriçoca ou pernilongo doméstico) coletados na cidade do Recife. Esse achado confirma a espécie como potencial vetor do vírus causador da zika, hipótese que, de acordo com a literatura científica, não havia sido comprovada até o momento.
O Culex quinquefasciatus é a espécie de mosquito mais abundante no ambiente urbano das áreas tropicais e subtropicais, onde costuma estar presente numa densidade 20 vezes maior que o Aedes aegypti.
A pesquisa foi conduzida pela Fiocruz Pernambuco na Região Metropolitana do Recife, onde a população do Culex é cerca de 20 vezes maior do que a população de Aedes aegypti. Os resultados preliminares da pesquisa de campo identificaram a presença de Culex quinquefasciatus infectados naturalmente pelo vírus zika em três dos 80 grupos de mosquitos analisados até o momento. Em duas dessas amostras, os mosquitos não estavam alimentados, demonstrando que o vírus estava disseminado no organismo do inseto e não em uma alimentação recente num hospedeiro infectado.
A coleta dos mosquitos foi feita com base nos endereços dos casos relatados de zika nas cidades do Recife e Arcoverde, obtidos com a Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco (SES-PE). O número total de mosquitos examinados na pesquisa foi de aproximadamente 500. O objetivo do projeto é comparar o papel de algumas espécies de mosquitos do Brasil na transmissão de arboviroses. Foi dada prioridade ao vírus zika devido a epidemia da doença no Brasil e sua ligação com a microcefalia.
A partir dos dados obtidos, os pesquisadores afirmam que serão necessários estudos adicionais para avaliar o potencial da participação do Culex na disseminação do vírus zika e seu real papel na epidemia. De acordo com a Fiocruz, o estudo atual tem grande relevância, uma vez que as medidas de controle de vetores são diferentes.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Veja a resposta da Ouvidoria da Rádio Nacional sobre a saída do ar do programa do Adelzon Alves. Fonte:Site o Rádio do Paraná!

Amigos, não dá para acreditar. Recebi a resposta da EBC - da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, mais precisamente da OUVIDORIA DA EBC, justificando a saída do ar do programa Adelzon Alves O Amigo da Madrugada e outros da grade da programação. " mas infelizmente a empresa está com problemas sérios da falta de orçamento, portanto não só o contrato com o excelente produtor Adelzon Alves, mas todos os contratos com produtores de programas que compõem as nossa grades, neste momento difícil não serão renovados. " Fica bastante claro que, a atual diretoria, ligada a política anterior, está criando embaraço para o novo governo, de forma mesquinha e absurdamente vergonhosa. Não posso acreditar que, o atual governo tenha deixado a descoberto um patrimônio nacional como a Rádio Nacional, a primeira emissora de rádio do Brasil, Um espaço cultural do povo brasileiro, em especial os artistas que não tem acesso as grandes mídias de divulgação, mas que marcam e muito marcaram no passado a cultura do nosso país, não pode ser assim, simplesmente jogado fora, deixando o artista brasileiro, sem voz. Não se está pedindo nada a mais do que sempre existiu. E existiu bem mais, com a Rádio Nacional sendo o grande exemplo da radiofonia nacional, com o número e qualidade dos artistas brasileiros. Hoje, bem mais modesta, preservava o espaço do povo através do programa Adelzon Alves, O Amigo da Madrugada - 29 anos na Rádio Globo do Rio de Janeiro e agora mais de 15 anos na Rádio Nacional - onde o povo da periferia, do morro, das escolas de samba e do Brasil inteiro, divulgava seus produtos culturais, gratuitamente. Adelzon Alves jamais cobrou um centavo de quem quer que fosse para divulgar uma música, um espetáculo ou outra atividade cultural, fosse onde fosse. Hoje, por posição política da atual diretoria, corta-se o espaço, não somente do programa, mas o espaço dedicado inteiramente ao povo brasileiro e suas manifestações culturais. Senhores do governo, é hora de olhar com mais atenção a intempestiva atuação da EBC, suspendendo todos os contratos. Não estamos falando de emissora de rádio qualquer. Estamos falando da RÁDIO NACIONAL, a primeira emissora do Brasil e patrimônio do povo brasileiro. No mínimo, deve-se manter a dignidade que ela merece. Se não respeitarmos nossas instituições, como vamos respeitar o governo que não nos motiva. Tem que haver uma revisão das atitudes tomadas e manter a qualidade e o espaço do povo brasileiro para que possa se manifestar artisticamente com o respeito devido! ATENCIOSAMENTE, Wasyl Stuparyk - site www.oradiodoparana.com.br / e-mail wasylesportes@hotmail.com
oradiodoparana.com.br

ADELZON ALVES FORA DO AR NA RÁDIO NACIONAL DO rIO DE jANEIRO.PROFUNDAMENTE LAMENTAVEL.

RÁDIO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO NÃO QUER MAIS O POVO EM SUA GRADE DE PROGRAMAS. AS OPORTUNIDADES QUE DERAM CHANCE A ARTISTAS POPULARES, NÃO EXISTEM MAIS. o AMIGO DA PERIFERIA, DA FAVELA, DOS MORROS, NÃO TEM MAIS O ADELZON ALVES, O AMIGO DA MADRUGADA, NA RÁDIO NACIONAL. TAMBÉM ARTISTAS DO BRASIL INTEIRO QUE, COM SUA MUSICA BRASILEIRA DE QUALIDADE, ENCONTRAVA ESPAÇO NA RÁDIO NACIONAL, COM GRANDE REPERCUSSÃO ATRAVÉS O PROGRAMA DO ADELZON. ALGUM DIRETOR DESPREPARADO, NÃO TENDO A VISÃO JUSTA DA NECESSIDADE DO POVO E DA CULTURA POPULAR, RESOLVE TIRAR DA GRADE O PROGRAMA. MAIS UMA ATITUDE COVARDE PARA COM O POVO DE UMA CIDADE E DO BRASIL. NA REALIDADE, FOI FECHADO O ÚNICO ESPAÇO PARA A INICIATIVA POPULAR. E O CONSELHO DA EBC VAI ACATAR ESTA AÇÃO INTEMPESTIVA, CONTRA OS PRINCÍPIOS DAS PRÓPRIAS INTENÇÕES, DE MANTER ABERTOS ESPAÇOS PARA INICIATIVAS CULTURAIS DO POVO? ESTARÁ O CONSELHO DA EBC TENDO UM DISCURSO E OUTRA A PRÁTICA? NÃO ACREDITO. PARECE TER GENTE DE RESPEITO E QUALIDADE DE CARÁTER PARA CORRIGIREM UMA ATITUDE TÃO PREJUDICIAL A CULTURA BRASILEIRA. LEVANDO-SE EM CONTA AS DIFICULDADES QUE OS ARTISTAS NOS DIAS DE HOJE ENCONTRAM EM MOSTRAR SEU TRABALHO, EM DIVULGAR SUAS REALIZAÇÕES, FECHAR O ÚNICO ESPAÇO QUE TINHAM, É JUSTO? CLARO QUE NÃO. CHEGA A SER, ALÉM DE ATO IMPENSADO, COVARDE POIS O POVO SEMPRE MANTEVE A RÁDIO NACIONAL COMO EXEMPLO DE QUALIDADE ARTÍSTICA E HOJE VÊ, COM MUITA TRISTEZA, ROUBADO SEU SONHO E ESPAÇO. LAMENTÁVEL!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Carta da medicina para um médico

Eu não tenho resposta para tudo.

Se me perguntarem como você poderia me perdoar pelo tanto que exigi e continuo exigindo de você,eu não saberia responder.

Mesmo assim eu gostaria de aproveitar para lhe pedir perdão.

Perdão por tirar tantas horas da sua juventude,absorvendo você com intermináveis paginas dos meus livros.

Perdão por lhe tomar tantas noites de descanso,embalando você em exaustivos plantões.

Perdão pelos momentos de diversão que você abriu mão por me levar tão a sério.

Perdão à sua família.Disputar comigo não é fácil.

E a compreensão dessas pessoas que estão ao seu lado pode ensinar muito sobre esse sentimento chamado amor.

E muitas vezes ter que assistir você enfrentar sozinho esse nossos inimigo implacável:a dor.

Como poderia agradecer a vida que você dedicou a mim?
Eu não sei. Eu não tenho resposta para tudo.

Mas,se me perguntarem qual é o meu motivo de orgulho,eu tenho a resposta:



É VOCÊ





Previsão do tempo Curitiba - PR
Domingo 10 Julho 2016
26° C 14° C 37 km/h
SegundaTerçaQuartaQuintaSextaSábado
11 JULHO12 JULHO13 JULHO14 JULHO15 JULHO16 JULHO
27°27°24°27°24°22°
16°16°18°16°16°15°
53 km/h51 km/h25 km/h46 km/h45 km/h

sábado, 9 de julho de 2016

O RÁDIO NO BRASIL



A inauguração do rádio, no Brasil, foi decretada oficialmente no dia 07 de setembro de 1922, como parte das comemorações do Centenário da Independência. Para que acontecesse a primeira narração esportiva, passaram-se oito anos, quando o locutor Nicolau Tuma, da Rádio Sociedade Educadora Paulista, realizou a transmissão.

Poucos relatos comprovam o início da transmissão esportiva no país. A principal vem de Edileuza Soares, autora do “A bola no ar”, que descreve como aconteceu esse fato inédito. “A transmissão coube ao locutor Nicolau Tuma, da Rádio Sociedade Educadora Paulista (primeira emissora de São Paulo, fundada em 1923), durante o VIII Campeonato Brasileiro de Futebol, em 1931. Jogaram as seleções de São Paulo e Paraná, no campo da Chácara da Floresta, no bairro da Ponte Grande, em São Paulo. Nesse dia, foi criada uma técnica para a transmissão direta de futebol”, relata no livro.
Gagliano Neto, sete anos depois, também deixou seu nome marcado na história, quando narrou a primeira partida de futebol para todo o país, em uma união de quatro emissoras – duas de São Paulo e duas do Rio de Janeiro. A transmissão aconteceu na Copa do Mundo de 1938, sediada na França, que reuniu as principais seleções do planeta e teve a Itália conquistando o bicampeonato.
As narrações, tanto de Tuma quanto de Neto, fizeram parte do amplo crescimento do meio radiofônico brasileiro, estendo a área esportiva, que teve o período conhecido como a “época de ouro” do rádio.
Atletiba histórico marca primeira narração
Na capital paranaense, há divergências de quando, de fato, aconteceu a primeira transmissão esportiva. Maí Nascimento Mendonça acreditava que esse acontecimento foi em 1933. Já Ubiratan Lustosa apostava que, três anos antes, era a data. Entretanto, no seu livro “O Rádio no Paraná”, o escritor admitiu que relatos de amigos convenceram-no de que 1934 ficou marcado por essa marca histórica.
Quem teve a ideia de realizar essa transmissão foi a Rádio Clube (PRB2) – a primeira emissora do Paraná e a terceira do Brasil. O clássico “Atletiba” aconteceu no dia 2 de setembro de 1934, pela 20ª edição do certame estadual, no Estádio da Baixada, no bairro Água Verde, onde está localizada atualmente a centenária Arena da Baixada, palco de quatro jogos da Copa do Mundo de 2014.
Os locutores do confronto foram Jacinto Cunha e Jofre Cabral, que se revezavam na transmissão do jogo. O estádio rubro-negro não tinha a estrutura necessária para essa novidade da comunicação. Portanto, o “jeitinho brasileiro” era necessário para que o equipamento técnico permitisse uma transmissão externa que durou mais de duas horas.
Cunha e Cabral precisaram improvisar um palanque que os permitissem ter uma visão ampla do campo da partida e, assim, identificarem os jogadores e suas jogadas. Para quem não pode estar no estádio atleticano, a irradiação foi retransmitida em alto-falantes instalados nos pontos de Curitiba, especialmente na Praça Tiradentes, que permitiu que os torcedores que não foram ao local pudessem acompanhar o clássico paranaense em uma nova sensação de comunicação.
O radialista e jornalista, Josias Lacour, aproveitou essa data histórica e escreveu o livro “80 anos de gol, a história do rádio esportivo no Paraná”, que terá lançamento no dia 30 deste mês, no Palacete dos Leões. “O projeto surgiu há dois anos. Comecei a pesquisar com autores, bibliotecas, notícias de jornais antigos e escrevi esse livro de mais de 350 páginas que relata esse feito histórico no Paraná”, conta.
O “tubo” e a modernização
Um ponto muito questionado nos dias atuais se deve às rádios que realizam a transmissão de partidas sem estar no local, conhecido como “tubo”. Na maioria das vezes, apenas o repórter é enviado ao palco do jogo, enquanto no narrador assiste e narra acompanhando pela televisão – o que pode prejudicar caso caia o sinal e seja preciso uma improvisação.
“Isso se fazia também no passado por não ter linha suficiente. Era sorteado. Mas existem várias histórias reais de profissionais que fizeram narrações sem estar nos locais e que, depois, viram que o fato era outro do que foi passado na hora. Por isso, sou a favor de fazer transmissão in loco sempre”, completa Lacour.
Já para Carneiro Neto, esse tipo de atuação é normal e econômica. “A primeira vez que vi esse formato foi na Copa do Mundo da Espanha, em 1982. É uma prática. A televisão acaba facilitando e economizando, o que fica viável para as rádios que não tem tanto suporte financeiro. Acredito que seja bom até pela falta de espaço adequado dos estádios”, acredita, citando a Vila Capanema e Couto Pereira com estruturas deficitárias para a imprensa.
Outra questão relembrada pelo radialista é pela cobrança da transmissão esportiva, que é adotado apenas para as televisões. O presidente do Atlético-PR, Mario Celso Petraglia, já sinalizou para uma possível cobrança em futuro próximo tanto por parte da TV quanto da rádio – algo praticado por algumas equipes na Europa.
“Com certeza (é uma tendência). Se começarem a cobrar, e acho que vão, pois o metro quadrado destas novas arenas é caro e é preciso viabilizá-las. As rádios que não se estruturarem vão acabar sumindo e perder espaço mesmo. No fim, o futebol vai virar tudo no tal padrão Fifa”, aposta Carneiro Neto.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Imprensa recebe homenagem em torneio especial na EPO Fest

IMG_6084

Mais uma vez, a EPO Fest realizou um torneio totalmente voltado para a imprensa no último dia 02 de julho de 2016. Só que desta vez, além de jogar, os participantes foram homenageados com o prêmio de "Amigos do Poker", por sua colaboração com o esporte.DSC_0095IMG_6089
 IMG_6100


DSC_0006
Todos os participantes recebem homenagem como "AMIIGOS DO POKER" pela colaboração com o esporte.

IMG_6090

Os participantes também tiveram uma palestra com Alë Gomes, que foi um dos grandes campeões mundiais presente no evento.


 


Veja como ficou o ranking final:

5º lugar - Felipe Waltrick do blog @coffeelocal
4º lugar - Hugo Harada (Gazeta do Povo)
3º lugar - Rodrigo Barroso(Jornal do Ônibus)
2º lugar - Ana Paula (Blog Ana P)
1º lugar - Edson Serpa ( RIC/ Record Curitiba)



IMG_6159





  

IMG_6103IMG_6135IMG_6138

sábado, 2 de julho de 2016

E o PC saiu de fininho -

Certa vez, sofri um acidente de carro, era um valente Fusca 66 (foto - 2º fusca, em carreata na Vila Santa Efigênia .

Quem teve um, sabe do que estou falando. Pois o meu valente, foi recolhido ao pátio do Detran.
Eu com a clávicula quebrada, não podia tratar da liberação do veículo. Foi então que entrou em ação, minha esposa Zena, acompanhada do amigo Paulo César, apresentador do programa "A Baiúca do Xiló" na Rádio Independência, que se prontificou a acompanhá-la.

Em lá chegando, foram procurar no pátio do Detran, em meio a centenas de outros carros. Cadê o nosso Fusca? Durante a caminhada, olha aqui, olha alí, o Paulo Cesar deu de cara com um antigo carro que havia sido roubado. - "Viva! Achei meu carro", gritou o glorioso PC. Mas, como diz aquele dito popular, "alegria de pobre dura pouco", a conta do estacionamento era maior do que valia o carro.

PC fez que não viu, e saiu de fininho, antes que alguém o obrigasse a retirar o veículo de lá. Como diriam os ingleses, ele saiu à francesa: - "take french leave", na versão mais conhecida. Mas, poderia ser, sair à inglesa: - "filer à l'anglaise", exclusividade dos franceses. Como muitos diriam aqui no Brasil: - "saiu à francesa".

Como diria o próprio Paulo César, pernambucano: - "Vixi Santa!.

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html