terça-feira, 30 de maio de 2017

Revolução Farroupilha

Revolução Farroupilha, também é chamada de Guerra dos Farrapos ou Decênio Heróico ( 1835 - 1845), eclodiu no Rio Grande do Sul e configurou-se, na mais longa revolta brasileira. Durou 10 anos e foi liderada pela classe dominante gaúcha, formada por fazendeiros de gado, que usou as camadas pobres da população como massa de apoio no processo de luta.

Causas


O Rio Grande do Sul foi palco das disputas entre portugueses e espanhóis desde o século XVII. Na idéia dos líderes locais, o fim dos conflitos deveria inspirar o governo central a incentivar o crescimento econômico do sul, como pagamento às gerações de famílias que se voltaram para a defesa do país desde há muito tempo. Mas não foi isso que ocorreu.
A partir de 1821 o governo central passou a impor a cobrança de taxas pesadas sobre os produtos rio-grandenses, como charque, erva-mate, couros, sebo, graxa, etc. 
No início da década de 30, o governo aliou a cobrança de uma taxa extorsiva sobre o charque gaúcho a incentivos para a importação do importado do Prata.
Ao mesmo tempo aumentou a taxa de importação do sal, insumo básico para a fabricação do produto. Além do mais, se as tropas que lutavam nas guerras eram gaúchas, seus comandantes vinham do centro do país. Tudo isso causou grande revolta na elite rio-grandense.

A revolta


Carga de cavalaria Farroupilha, acervo do Museu Júlio de Castilhos.
Em 20 de setembro de 1835, os rebeldes tomam Porto Alegre, obrigando o presidente da província, Fernandes Braga, a fugir para Rio Grande. Bento Gonçalves, que planejou o ataque, empossou no cargo o vice, Marciano Ribeiro. O governo imperial nomeou José de Araújo Ribeiro para o lugar de Fernandes Braga, mas este nome não agradou os farroupilhas (o principal objetivo da revolta era a nomeação de um presidente que defendesse os interesses rio-grandenses), e estes decidiram prorrogar o mandato de Marciano Ribeiro até 9 de dezembro. Araújo Ribeiro, então, decidiu partir para Rio Grande e tomou posse no Conselho Municipal da cidade portuária. Bento Manoel, um dos líderes do 20 de setembro, decidiu apoiá-lo e rompeu com os farroupilhas.
Bento Gonçalves então decidiu conciliar. Convidou Araújo Ribeiro a tomar posse em Porto Alegre, mas este recusou. Com a ajuda de Bento Manoel, Araújo conseguiu a adesão de outros líderes militares, como Osório. Em 3 de março de 36, o governo ordena a transferência das repartições para Rio Grande: é o sinal da ruptura. Em represália, os farroupilhas prendem em Pelotas o conceituado major Manuel Marques de Souza, levando-o para Porto Alegre e confinando-o no navio-prisão Presiganga, ancorado no Guaíba.

Os imperiais passaram a planejar a retomada de Porto Alegre, o que ocorreu em 15 de julho. O tenente Henrique Mosye, preso no 8º BC, em Porto Alegre, subornou a guarda e libertou 30 soldados. Este grupo tomou importantes pontos da cidade e libertou Marques de Souza e outros oficiais presos no Presiganga. Marciano Ribeiro foi preso e em seu lugar foi posto o marechal João de Deus Menna Barreto. Bento Gonçalves tentou reconquistar a cidade duas semanas depois, mas foi batido. Entre 1836 e 1840 Porto Alegre sofreu 1.283 dias de sítio, mas nunca mais os farrapos conseguiriam tomá-la.

Em 9 de setembro de 1836 os farrapos, comandados pelo General Netto, impuseram uma violenta derrota ao coronel João da Silva Tavares no Arroio Seival, próximo a Bagé. Empolgados pela grande vitória, os chefes farrapos no local decidiram, em virtude do impasse político em que o conflito havia chegado, pela proclamação da República Rio-Grandense. O movimento deixava de ter um caráter corretivo e passava ao nível separatista.

Poderá também gostar de:

sábado, 27 de maio de 2017

FONÓGRAFO


Existe divergência na bibliografia especializada quanto à primeira apresentação do fonógrafo no Brasil. Tinhorão escreve que ela se deu em 1879, na cidade de Porto Alegre, por um homem chamado Eduardo Perris, representante de Edison.6 Já segundo Franceschi, ela aconteceu em 1878, no Rio de Janeiro, no Edifício da Escola da Freguesia da Glória, para fins pedagógicos.4 Segundo Piccino, ela foi feita em 1878 por uma pessoa chamada F. Rodde, que realizava demonstrações na loja "Ao Grande Mágico", na Rua do Ouvidor.1 Já a primeira gravação de fonógrafo realizada no Brasil foi feita pela família imperial brasileira. Foram gravados depoimentos do imperador e membros da corte, assim como a voz do príncipe D. Augusto, primeiro brasileiro a ter a voz gravada cantando.1 Com isso, foi publicado decreto garantindo a Edison o privilégio de introduzir o fonógrafo no Brasil que, no entanto, não vinga.1
Só anos depois, obra do espiríto empreendedor de brasileiros e portugueses o fonógrafo seria introduzido no comércio brasileiro. Frederico Figner toma contato com o fonógrafo em 1889 e, em sociedade com seu cunhado, grava vários fonogramas com a intenção de exibir em países latino-americanos, viajando para Cuba e outros países.1 No Brasil, ele passa por Belém, Manaus, Fortaleza, Natal, João Pessoa, Recife e Salvador antes de fixar-se no Rio de Janeiro, em 1892.1 Em 1897, passa a gravar cilindros para venda com a única concorrência da Casa ao Bogary, fundada em 1895 por dois portugueses.3 Em 1900, funda a Casa Edison e desenvolve grande negócio de gravações de cilindros, além da compra de cilindros usados para serem raspados e reutilizados, negócio também da sua concorrente.4 A gravação de cilindros é grande até 1913, quando é fundada fábrica de prensagem de discos da Odeon, no Rio de Janeiro, que passa a abastecer com discos a Casa Edison e provoca o início do fim da comercialização de cilindros e de fonógrafos no Brasil. Esta parceria duraria até 1926, com o início das gravações elétricas e a decisão da Odeon de abrir filial no Brasil.3

terça-feira, 23 de maio de 2017

Transtorno Alimentar


Reprodução
Para especialista em transtorno alimentar, reprogramação do "chip" do paciente é de grande importância para o sucesso do tratamento da obesidade Com o crescimento em ritmo acelerado da obesidade em nível mundial, muito se tem falado a respeito da necessidade de tratamentos efetivos para combater este grande mal do século 21, como o uso de dietas, exercícios, remédios ou procedimentos bariátricos para a restrição alimentar. Embora todos estes tratamentos tenham embasamentos científicos e sejam eficazes, não é raro ver casos de insucesso no processo de emagrecimento, em virtude de dois fatores importantes que raramente são pontuados e trabalhados no indivíduo obeso: mudança de pensamentos e comportamentos.

De acordo com a psicóloga especialista em terapia comportamental-cognitiva, Marilice Rubbo de Carvalho, a ansiedade é apontada regularmente como um grande vilão para a obesidade, mas a questão é – frequentemente - mais complexa e não somente pela ansiedade e sim por outros transtornos muito mais profundos. "Sentimentos como tristeza, raiva, frustração, entre outros, tem bases em históricos particulares e que levam o indivíduo a buscar no alimento uma fuga", relata Marilice.

Desta forma, segundo a especialista, se a mente do obeso não for especialmente trabalhada, as terapias externas como dietas, reeducação alimentar, atividade física se tornam mais difíceis para a redução definitiva de peso do individuo. "É algo que parece simples, mas não é, e costuma ser negligenciado até mesmo por especialistas em obesidade", declara.

Marilice destaca o uso cada vez maior da terapia comportamental-cognitiva para este fim, cuja técnica auxilia na perda e controle de peso através da modificação de pensamentos disfuncionais associados aos hábitos do paciente, como o aprendizado sobre seu comportamento alimentar e entendimento dos sentimentos e pensamentos que o levam a comer. A terapia tem ainda como objetivo gerenciar as emoções do paciente, como melhorar sua auto-estima, reforçar e motivar a importância das mudanças de hábitos, reações de stress, ansiedade e compulsão alimentar.

"Alguns sentimentos são comuns na maioria dos casos, às vezes provocados por traumas e crenças que geram baixa auto-estima, sensação de inferioridade, infelicidade, e são neles que direcionamos o foco do paciente para uma mudança de percepção e atitude", revela a psicóloga.

A importância desta terapia não é somente para quem deseja mudar de comportamento e entender sua relação com a obesidade, mas também para quem recorre às cirurgias de redução de estômago, à colocação da banda gástrica ajustável, ao procedimento endoscópico com balão intragástrico e medicamentos inibidores de apetite. "É essencial que antes de iniciar algumas destas terapias o paciente realize um profundo trabalho de mudança cognitiva comportamental para se preparar para uma mudança na alimentação posterior a estes procedimentos e manter toda a programação necessária para a manutenção do peso perdido", explica Marilice.

A psicóloga destaca algumas das questões comportamentais e cognitivas trabalhadas com o paciente no sobrepeso e obesidade, que estão relacionadas a comer e tudo que lhe traz insatisfação, e que podem ser observadas e praticadas no dia a dia, durante o tratamento.

Administração do tempo


- Para o sucesso do tratamento é preciso trabalhar a organização pessoal definindo as prioridades;

- Planejar o tempo executando suas tarefas no dia a dia com tempo hábil para realizá-las sem perder o foco;

- Dizer "não" colocando limites em seu âmbito profissional e pessoal;

- Não ser perfeccionista e pensar que é "tudo ou nada" é necessário ser flexível.

domingo, 21 de maio de 2017


Inverno mais rigoroso esse ano em Curitiba

Inverno em Curitiba promete ser o mais rigoroso dos últimos 12 anos, essa é para quem gosta de frio a notícia é boa. No inverno os termômetros devem atingir marcas negativas em Curitiba.
O verão nem acabou e o curitibano já sente ares de inverno. Sob os efeitos do fenômeno El Niño, que foi classificado entre os três mais fortes das últimas três décadas frio deve chegar mais cedo. Para o segundo semestre de 2016, os modelos climáticos apontam para o início de uma nova fase de águas frias sobre o Oceano Pacífico equatorial, com indicativo da provável configuração de um episódio de La Niña.
O último La Niña aconteceu entre 2010 e 2011. E o clima em Curitiba deve bater os recordes dos últimos 16 anos e atingir a marca negativa de -2,6°C, a menor temperatura nos últimos 16 anos. A previsão de frio intensa e fortes geadas animam os curitibanos que adoram um friozinho.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Climatempo
Sexta-Feira, 19 de Maio


Curitiba - PR

Sex Chuvoso de manhã. Aberturas de sol à tarde e pancadas de chuva que vão até a noite. 14ºC 18ºC 41mm 80%
Sáb Sol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora. 14ºC 19ºC 5mm 80%
Dom Sol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora. 16ºC 20ºC 20mm 80%
Seg Dia de sol, com nevoeiro ao amanhecer. As nuvens aumentam no decorrer da tarde. 12ºC 20ºC 0mm 0%

quarta-feira, 17 de maio de 2017

A importância do toque



 

 Quando crescemos, passamos a ter vergonha de tocar carinhosamente os nossos pais, filhos ou amigos. Mas o toque é uma importante mensagem sobre os nossos sentimentos. E é uma forma de trazer mais felicidade ao próximo.

"Por favor, me toque"
por Phyllis Koehler Davis

Se sou bebê,
Por favor, me toque.
Preciso do seu afago de uma maneira que talvez nunca saiba.
Não se limite a me banhar, trocar a minha fralda e me alimentar,
Mas me embale juntinho de você, beije meu rosto e acaricie meu corpo.
Seu carinho gentil e confortador me transmite segurança e amor.

Se sou criança,
Por favor, me toque.
Ainda que eu resista e até o rejeite,
Insista, descubra um jeito de atender minha necessidade.
Seu abraço de boa noite adoça meus sonhos.
Seu carinho de dia me diz o que você sente de verdade.
Se sou seu filho adolescente,
Por favor, me toque.
Não pense que eu, por estar quase crescido, já não precise saber que você
ainda se importa.
Necessito de seus braços carinhosos, de uma voz terna.
Quando a vida fica difícil, a criança em mim volta a precisar.
Se sou seu amigo,
Por favor, me toque.
Nada como um abraço afetuoso para eu saber que você pensa em mim.
Um gesto de carinho quando estou deprimido garante que sou amado,
E me reafirma que não estou só
Seu gesto de conforto talvez seja o único que eu consiga.
Se sou seu companheiro,
Por favor, me toque.
Talvez você pensa que sua paixão basta,
Mas só seus braços detém meus temores.
Preciso de seu toque terno e confortador, para me lembrar que sou amado.

Se sou seu filho adulto,
Por favor, me toque
Embora eu possa até ter minha própria família para abraçar, ainda preciso dos seus braços quando me machuco.
Como filho adulto, a visão é diferente, mas eu os estimo mais ainda.
Se sou seu pai idoso,
Por favor, me toque,
Do jeito que me tocaram quando era bem pequeno.
Segura minha mão, sente-se perto de mim, dê-me força
E aqueça meu corpo cansado com sua proximidade.
Minha pele, ainda que enrugada, adora ser afagada,
Não tenha medo,
Apenas me toque!

Nenhum comentário:

FIQUE BEM INFORMADO.

Headlines by FeedBurner
Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html


segunda-feira, 15 de maio de 2017

gata no cio
ele e ela no telhado
cio, diriam alguns
ela e ele no telhado
bruum! bruumm!ouviam alguns
telhado é coisa de gente
cio é o que está na mente
mente de quem?
quem mente?
diriam alguns outros
o fato é que gemeram juntos
ela extasiada lânguida
ele extasiado e lânguido
sob a luz das três marias
e o telhado permanece inerte?
ou quente? quem diria?
gata em teto de zinco quente
há que se ver!!
sob a luz das três marias
(marcos “black” fontinelli)
Este poema faz parte do livro “Manobras incompletas”

segunda-feira, 8 de maio de 2017

IDIOMA DO FUTURO 2

Durante este ano que passei no exterior tive a oportunidade de conviver com pessoas de diferentes nacionalidades e tive um vislumbre de como as pessoas se comunicarão num futuro que não creio estar muito distante, talvez cem, duzentos anos à frente.
Sem dúvida será o inglês a principal língua a ser falada no mundo nesta época, mas haverá uma super-abundância de diferentes sotaques onde quer que se vá. Em vários países da África e Europa, a língua falada nas universidades já é oficialmente o inglês e já hoje é possível entender uma ou outra palavra em inglês perdida no meio da conversação entre os indivíduos que, originalmente, falavam sua língua nativa. O idioma vai sendo incorporado, palavra por palavra.
Mesmo no português do Brasil já temos vários anglicanismos -- que preferia chamar de americanismos, para ser mais preciso. Vejo um mundo daqui a duzentos anos onde todas as línguas tenderão a convergir para diferentes dialetos do inglês. Não digo que o francês, o alemão, o espanhol ou português irão desaparecer da face da terra. Não, longe disso, entretanto cada vez mais serão incorporadas nessas línguas palavras de raiz inglesa e cada vez menos teremos que aprender de forma a podermos conversar com qualquer pessoa no mundo, pois as línguas já estão a convergir para o inglês.
Talvez chegue um ponto, este provavelmente ainda distante no futuro, onde a única língua falada no mundo será o inglês. Isso provavelmente fará com que quase qualquer texto escrito possa ser lido, no original, por qualquer ser humano em todo o planeta, o que significará que a língua básica será mesmo algo similar ao inglês falado hoje misturado com um pouco de todas as outras línguas existentes.
Entretanto, prevejo que a forma de falar e o efeito dos sotaques na compreensão da língua será extremamente maior do que é hoje, de forma que talvez duas pessoas, falando o mesmo inglês básico, possam definivamente não se entender. Talvez conversando entre si entendam-se, pois terão paciência e falarão apenas o inglês ortodoxo. Mas talvez um russo falando seu dialeto inglês tenha extrema dificuldades para entender o inglês de um brasileiro nordestino, por exemplo, pois o sotaque, a entonação e o ritmo da fala será totalmente diferente, ainda que o vocabulário seja o mesmo.
Mas sem dúvida creio estarmos sendo, aos poucos, redimidos do temível pecado de termos tentado construir aquela metafórica torre que alcançaria os céus.

Fonte: Blog Trago de filosofia

quinta-feira, 4 de maio de 2017

IDIOMA DO FUTURO1

Sem que mesmo os pais mais atentos percebam, os jovens estão usando um novo idioma para se comunicar intensamente – com os computadores. Teclar, dar um clique no mouse, mover o cursor na tela sensível ao toque são maneiras de interagir com os computadores. Comunicar-se com eles é outra coisa. Isso exige o domínio de linguagens de programação. Para o resto de nós as frases nesses idiomas são apenas impenetráveis conjuntos de sinais matemáticos e de palavras em inglês. Combinando habilmente essas letras, números e símbolos, o programador dita passo a passo ordens complexas às camadas profundas das unidades de processamento dos computadores. Não confundir com os comandos de abrir ou fechar programas, copiar ou apagar textos, clarear fotos, receber ou enviar mensagens. Essas interações, que de tão simples parecem indistintas da mágica, só são possíveis porque, antes, os programadores ensinaram ao computador a “receita” que ele deve executar quando recebe um determinado comando.

FIQUE BEM INFORMADO.

Leia mais: Hoje é dia de que? Datas comemorativas • A arte da vida. Apon HP. Literatura para pensar e sentir http://www.aponarte.com.br/p/hoje-e-dia-de-que-e-amanha_09.html